PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

PÁGINA 1
Ponto de partida


PÁGINA 4 a 9
Entrevista


PÁGINA 10 e 11
Crônica


PÁGINA 12 a 15
Conjuntura


PÁGINA 16 a 19
Vanguarda


PÁGINA 20 a 26
Debate


PÁGINA 27 A 29
Em foco


PÁGINA 30 E 31
Giramundo


PÁGINA 32 E 33
Ponto com


PÁGINA 34 E 35
Hobby


PÁGINA 38 a 40
Cultura


PÁGINA 42 A 46
Turismo


PÁGINA 47
Médicos que escrevem


PÁGINA 48
Fotopoesia


GALERIA DE FOTOS


Edição 84 - Julho/Agosto/Setembro de 2018

PÁGINA 38 a 40

Cultura

Vozes da cidade

Não se sabe exatamente quando eles surgiram, mas existem evidências de que os corais musicais têm origens ancestrais. Um dos registros mais antigos são os da Caverna de Cogul, na Espanha, que sugerem a prática de cantos e danças em grupo na pré-história. Na Grécia Antiga, a palavra Choros definia as diversas atividades do drama grego, e no século 1, em Roma, foi traduzida por Chorus pelo cristianismo, designando o conjunto de pessoas que cantavam nas igrejas.

Mas os registros dos primeiros coros efetivos apareceram na Europa por volta do ano 1000, nos mosteiros e comunidades religiosas, numa herança do culto judaico, segundo a Wikipédia. As primeiras partituras criadas especificamente para coros apareceram no século 7. Até hoje há apreciadores desse gênero musi- cal – mantido, principalmente, por universidades, igrejas e comunidades, entre outros –, que reúne vozes adultas, masculinas e femininas: baixos, tenores, contraltos e sopranos.Podem
também incluir vozes intermediárias, como barítono e mezzo-soprano. Os repertórios costumam ser ecléticos, abrangendo eruditos, folclóricos e populares.


Embora nem sempre muito conhecidos, a cidade de São Paulo também tem diversos corais. Apresentamos a seguir, alguns dos principais.


No alto e acima, apresentação do Coralusp

Coralusp
“Minha namorada”, de Carlos Lyra e Vinicius de Moraes; “Procissão”, de Gilberto Gil; “Aroeira”, de Geraldo Vandré; “Xangô”, de Heitor Villa-Lobos; e “Triste España sin ventura”, de Juan Del Encina, foram as músicas que fizeram parte da primeira apresentação do Coral Universitário Poli-Enfermagem, em junho de 1967. Meses depois, passou a se chamar Coral Universidade de São Paulo, com atividades voltadas aos estudantes e funcionários da USP, além da comunidade dos arredores.

O famoso e reconhecido maestro Benito Jua rez foi um dos fundadores do Coralusp, juntamente com o então diretor do Grêmio Politécnico, João Luis Visconte. Juarez também comandou a Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas, a qual liderou – paralelamente ao Coralusp – durante 25 anos (1975 a 2001).


Coro de cantores, ou O oratório, por William Hogarth (Ingalterra, século 18)

Quarenta anos depois, o Coralusp expandiuse e é reconhecido no Brasil e no Exterior por meio de suas apresentações feitas dentro e fora da comunidade universitária, incluindo Estados Unidos, Europa, África e Argentina. Composto por 15 grupos e duas oficinas, totaliza aproximadamente 550 membros, coordenados por sete regentes.

Músicas eruditas e populares têm papel de destaque em seu repertório, como “Tradição”, de Geraldo Filme, “Redescobrir”, de Elis Regina e “O meu sangue ferve por você”, de Sidney Magal. “Fazemos também o trabalho de coral cênico”, declara a regente Márcia Hentschel.

Qualquer pessoa maior de 18 anos pode fazer parte de um dos grupos do Coralusp. Para isso, é necessário apenas um teste de afinação e, em caso de reprovação, o candidato é encaminhado para uma oficina.


"Dança de Cogul", imagem do período neolítico encontrada em El Cogul, na Espanha

Coral da Cidade de São Paulo
O Coral da Cidade de São Paulo iniciou as atividades em 2002, no Centro Comunitário Cohab Raposo Tavares, com o objetivo de oferecer um curso de teoria musical àquela comunidade, sob a orientação do maestro e também fundador da instituição, Luciano Camargo.

Tendo a música erudita como componente principal do repertório, as atividades exercidas são comunitárias e de iniciativa não governamental. Ao todo, o coral já realizou mais de 100 concertos sinfônicos.

Os cursos são abertos à população. Para participar não é necessário conhecimento prévio, apenas são exigidos dos candidatos que façam cursos como o de teoria musical, técnica vocal e solfejo, oferecidos gratuitamente.


Coral da Unifesp
A Universidade Federal de São Paulo também tem o seu coral, criado em 1967 pelo médico David Francisco Reis, aluno da turma de 1945. Ele criou, ainda, os corais do Liceu Pasteur e da Universidade Mackenzie. Reis estudou música ainda em sua aldeia natal, em Portugal, de onde veio para o Brasil, em 1927, com 16 anos.

Formado por alunos, professores, funcionários e pessoas da comunidade, o coral está vinculado à Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da Unifesp, e suas atividades são desenvolvidas no Campus São Paulo. Tem direção musical e regência do maestro Eduardo Fernandes.

O repertório conta, especialmente, com a música popular brasileira, que é representada em sincronia entre arte cênica e o canto do coral. A música erudita também faz parte do repertório. “A Era do Rádio” foi o espetáculo de maior sucesso de público do Coral da Unifesp. Nele foram apresentadas músicas, jingles e vinhetas de programas que tiveram sucesso no apogeu do rádio, nos anos 30, 40 e 50.


Cuca, o Coral da PUC-SP
O coral da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) é formado por alunos, ex-alunos, funcionários e membros da comunidade. Sob regência de Renato Teixeira Lopes, fundador do coral, o Cuca já se apresentou em diversos festivais e encontros nacionais e internacionais.

Seu repertório conta com grandes nomes da música brasileira, como Chico Buarque, Tom Jobim, Gilberto Gil, e outros, mesclados com célebres compositores da música erudita.

O curso de técnica vocal é aberto a alunos, professores e funcionários da PUC-SP. As aulas são gratuitas e têm duração de uma hora, sob instrução do professor Paulo Menegon.

Em 2011, os membros do Cuca representaram o Brasil e a PUC-SP no VI Festival Internacional de Corais, em Salta, na Argentina. A viagem objetivou o intercâmbio com a cultura latino-americana.


Integrantes do Cuca, o coral da PUC - SP 


Coro Adulto da Escola Municipal de Música de São Paulo
O coral adulto da Escola Municipal de Música objetiva, além do enriquecimento cultural,
proporcionar prática de conjunto aos alunos de canto e também de instrumento, trabalhando as principais questões como percepção musical, afinação, expressão vocal, solfejo e aprimoramento de técnica musical. O grupo é dirigido pela regente Maíra Ferreira.


Apresentação do coro adulto da Escola Municipal de Música de São Paulo

Programação
Confira a programação dos corais da USP, Unifesp, PUC-SP, Coral da Cidade e outros do município de São Paulo nos links abaixo.

Coral da USP
http://www.coralusp.prceu.usp.br

Coral da Unifesp
http://www.coral.sites.unifesp.br/site
Cuca – Coral da PUC-SP
http://www.pucsp.br/cuca/index.html
Coral da Cidade
http://www.coralsp.org.br
Coro Adulto da Escola Municipal de Música de São Paulo
http://theatromunicipal.org.br/formacao/ escola-municipal-de-musica
Coro da Osesp - Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo
http://www.osesp.art.br/paginadinamica. aspx?pagina=corodaosesp
Coral Cultura Inglesa
https://coralculturainglesa.wordpress.com
Coral Jovem do Estado – Emesp Tom Jobim
http://emesp.org.br/coral-jovem-do-estado-2018
Coral da Casa das Rosas
http://www.casadasrosas.org.br/agenda/coral-da-casa-das-rosas

Colaborou: Maria Melo


Este conteúdo teve 323 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

Delegacia da Vila Mariana:
Rua Domingos de Moraes, 2187 - cj. 223 - Edifício Xangai
Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP 04035-000

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS

CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2018 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 219 usuários on-line - 323
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior