PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

PONTO DE PARTIDA
Editorial, com Isac Jorge Filho


ENTREVISTA
Nosso convidado é Diego Gracia, um dos papas da Bioética na Europa


CRÔNICA
Acompanhe texto bem-humorado de Tufik Bauab, médico radiologista


CONJUNTURA
Uma análise da história da hanseníase no país


BIOÉTICA
A situação sombria das mulheres indianas


MÉDICAS EM FOCO
Marilza Rudge e Mary Ângela Parpinelli contam suas trajetórias profissionais


DEBATE
A quebra das patentes dos medicamentos no Brasil


FOTOLEGENDA
Harold Pinter, prêmio Nobel de Literatura, e a política externa dos EUA


SINTONIA
Hospital expõe fotos tiradas por crianças e adolescentes internados


LIVRO DE CABECEIRA
Totalidade e Infinito - Emmanuel Lévinas


CULTURA
Faculdade de Medicina da Bahia: 1ª instituição do ensino superior do país


TURISMO
O crescimento - prazeroso - do turismo rural no Brasil


HOBBY DE MÉDICO
Quando a partitura se transforma em instrumento de trabalho...


POESIA
Entre o Sono e o Sonho - Fernando Pessoa


GALERIA DE FOTOS


Edição 34 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2006

HOBBY DE MÉDICO

Quando a partitura se transforma em instrumento de trabalho...



Dez prás Onze
Paixão pela música une cinco médicos, um jornalista
e uma especialista em Saúde Pública


Colegas de trabalho há mais de três décadas, Nelson Ibañez, médico, e Selma Patti Spinelli, formada em Ciências Sociais e Saúde Pública, ambos professores da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo, iniciaram a parceria quando davam aulas no curso de graduação. “Nos intervalos das aulas, trocávamos figurinhas sobre música e Nelson mostrava suas composições”, lembra Selma. Mais tarde, os estudantes da Faculdade e hoje médicos Osvaldo Cudizio, Arthur Goldfeber, Paulo Carrara e Antônio Antonietto (ausente no ensaio acompanhado pela Ser Médico) juntaram-se aos professores Nelson e Selma, e passaram a trocar experiências musicais.

A primeira tentativa de criar uma banda aconteceu em 1991, mas durou poucos meses, devido à vida agitada de todos. Em 2003, Ibañez e Carrara, decidiram “convocar” os amigos e retomar os ensaios. Assim, nasceu o conjunto Dez prás Onze.  “O primeiro nome era Ensaio, pois sempre que perguntavam, respondíamos ‘ainda é só ensaio’. Achávamos que não iria além da primeira apresentação, que aconteceu no Butantã e, por isso, deixamos esse nome; mas como a idéia vingou, era preciso batizar o conjunto”, recorda Ibañez.

Em uma discussão acalorada sobre o novo nome, um dos integrantes disse, na tentativa de encerrar a conversa: “já são dez para as onze”. Daí, nasceu o nome. Este também é o horário do término dos ensaios.  “Acho que é um relógio biológico”, acrescenta Edson Mendes de Almeida, jornalista que, desde o final de 2005, é integrante do grupo. A música oficial para encerramento do ensaio é sempre “Trem das Onze”, de Adoniran Barbosa, um ícone para o grupo.

Os ensaios acontecem sempre às segundas-feiras na casa de Ibañez. “É uma alegria saber que a cada semana vou encontrar os amigos, em meio a  tantas atribuições do cotidiano. É uma descontração, mas levamos o ensaio a sério”, afirma Ibañez. Violonista e compositor, ele diz ter como fonte de inspiração o cotidiano médico. Nas horas vagas os integrantes do grupo pesquisam arranjos, letras, histórias e tudo o que possa enriquecer o repertório.

“O exercício da Medicina inspira crônicas”, diz Ibañez.  “A tensão de lidar com a vida e com a morte precisa ser aliviada”, emenda Edson. “A música é muito mais barata que terapia”, completa o clínico geral Antonietto. Segundo Mendes,  a organização dos ensaios é herança da formação médica: “Acho que a primeira matéria que eles aprendem na faculdade de Medicina é como organizar o tempo”, comenta. A tese defendida por Cudizio é que a música influencia a prática médica: “A música me trouxe mais sensibilidade, paciência para escutar o paciente e concentração em meu consultório”.

Ritmo e influências

O Dez prás Onze faz música popular brasileira, com forte influência da década de 60. Tocam muitos sambas tradicionais, choro, músicas de Noel Rosa, Geraldo Pereira, Adorinan Barbosa e Paulinho da Viola, entre outros. O público que acompanha o conjunto é formado por amigos, familiares e colegas de profissão. Cada apresentação tem repertório único, mas já há uma lista das mais pedidas:  Jura, de Sinhô; e Noites Cariocas, de Paulo Vanzolini.

Dentre os integrantes, alguns se dedicam à música desde a adolescência. Selma, a vocalista, estudou piano e violão. Goldfeber toca violão de sete cordas, enquanto o médico homeopata Cudizio estudou violão, toca flauta e cavaquinho e já cantou no coral da Santa Casa. Autodidatas, Ibañez, diretor do Instituto Butantã, e Antonietto, delegado do Cremesp e gerente de pacientes externos do Hospital Sírio Libanês, também tocam violão. A percussão fica por conta de Carrara e Mendes, que ajudam a garantir o ritmo contagiante da banda.   

As famílias integram a aventura musical, seja por meio de críticas, sugestões e até participações especiais. Por exemplo, Pablo Ibañez, filho de Nelson, sempre que pode se apresenta com o grupo, tocando cavaquinho. O bom humor é a marca registrada dos ensaios e das apresentações. Às gargalhadas, Nelson revela que Selma sempre ensaia corretamente as músicas, mas não raro troca as letras na hora da apresentação. Cudizio revida a maledicência do amigo, lembrando que já livrou Nelson de cair em pleno palco, oferecendo o joelho para que ele se apoiasse. A banda, que já se apresentou no Instituto Butantã, em clubes da periferia, na cidade de Cotia e no restaurante italiano Buttina, em São Paulo, sonha em gravar um CD. “Já está na hora de registrar tudo isso. Somos amadores, mas levamos a música a sério”. 


Colaborou: Fernanda Ubatuba


Este conteúdo teve 170 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 377 usuários on-line - 170
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior