PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

CONJUNTURA
Pesquisas negligenciam doenças de populações pobres


EDITORIAL
Presidente do Cremesp espera que a palavra "saúde" não se restrinja aos brindes de final de ano


ESPECIAL
Profissionais de comunicação falam das dificuldades para cobrir a área de saúde


CRÔNICA
Milton Hatoum fala sobre um fato que inspirou cena de "Cinzas do Norte"


MEIO AMBIENTE
São Paulo deu as costas para o Tietê, ao contrário de outras grandes metrópoles como Paris, Londres ou Chicago, crêe autor


DEBATE
Cremesp promove debate para discutir mudanças sobre medicamentos manipulados


SINTONIA
Confira aspectos sobre o impacto da doação de órgãos em familiares


HISTÓRIA DA MEDICINA
Meningite, a epidemia que a ditadura não conseguiu esconder


EM FOCO
Filha de Durval Marcondes mostra carta de Freud a seu pai


CULTURA
Grafiteiro e fotógrafa criam nova modalidade de arte, a fotografite


ACONTECE
São Paulo ganha mais um Niemeyer


LIVRO DE CABECEIRA
Médica da Unifesp fala da obra "A Falsa Medida do Homem"


HOBBY DE MÉDICO
Médica domina técnica de produção de papel japonês feito à mão


CARTAS & NOTAS
Veja como pensam nossos leitores e quais foram as referências bibliográficas usadas


FOTOLEGENDA
Uma imagem da estátua do Cristo Redentor foi projetada na fachada da Catedral de Notre Dame em Paris


GALERIA DE FOTOS


Edição 33 - Outubro/Novembro/Dezembro de 2005

LIVRO DE CABECEIRA

Médica da Unifesp fala da obra "A Falsa Medida do Homem"

A Falsa Medida do Homem

O autor teve como principal preocupação combater o cientificismo que se apóia no genoma humano, na obra de Darwin e procura forjar bases científicas para justificar as discriminações raciais, de sexo e a criação de classes na sociedade. É de conhecimento geral a oposição que Gould fazia ao determinismo genético defendido pelos cientistas envolvidos na pesquisa do genoma humano, bem como a oposição aos genes egoístas de Dawkins. Assim, a obra mostra os falsos argumentos, supostamente científicos, utilizados pela sociedade para discriminar os seres humanos.

Gould inicia o livro mostrando que o determinismo biológico surgiu na Grécia com Platão, numa resposta de Sócrates para a divisão hierárquica da sociedade em governantes, auxiliares e artesãos: homens que nascem com a têmpera de ouro, de prata e de ferro. Em seguida, narra como as medidas de tamanho dos crânios eram utilizadas, antes de Darwin, para demonstrar que índios e negros eram inferiores aos brancos. Com a “Origem das Espécies” surge o primo de Darwin, Francis Galton. Gould o define como um vitoriano excêntrico e demente, que tinha a firme convicção de que quase tudo que se podia medir tinha um componente hereditário. Em 1883, Galton inventou o termo eugenia, mas foi nos EUA que surgiu a American Eugenics Association, em 1923. Finalmente Gould critica a mais moderna maneira de se praticar a discriminação “científica” das pessoas: a medida do QI.

Esta obra nos coloca em alerta contra as mistificações que levam a querer “brincar de Deus” e melhorar a espécie humana, pois sempre surgirão falsas medidas do homem cada vez mais sofisticadas para nos convencer de que o que Deus fez pode ser por nós melhorado. Aí pecamos pela arrogância.

* Alice Ferreira é médica, professora adjunta do Departamento de Biofísica da Unifesp-EPM

Obra: A Falsa Medida do Homem
Autor: Stephen Jay Gould
Editora: Companhia das Letras


Este conteúdo teve 189 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 536 usuários on-line - 189
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior