Pareceres


Nova Pesquisa | Voltar
Enviar por e-mail | Imprimir apenas a ficha | Imprimir o parecer com a ficha

PARECER Órgão: Conselho Regional de Medicina do Estado de S��o Paulo
Número: 29166 Data Emissão: 11-07-2007
Ementa: Acompanhamento de filho menor em aleitamento

Imprimir apenas a ficha


Imprimir o parecer com a ficha
Consulta nº 29.166/06

Assunto: Paciente adulta, nutriz que por alguma razão clínica ou cirúrgica deve ser internada na instituição e se acompanha de filho menor em aleitamento materno exclusivo.

Relator: Conselheiro Clóvis Francisco Constantino.

Ementa: Aleitamento materno exclusivo; não estando a paciente nutriz em Unidade de Terapia Intensiva, ou sendo submetida a farmacoterapia que contra-indica o aleitamento ou apresentando doença infecto-contagiosa que implique em isolamento com as técnicas hospitalares específicas, o simples fato de estar internada não é fator nem do ponto de vista dela vem do bebê de afastá-los.

O consulente Dr. N.X.S.J., solicita parecer do CREMESP sobre paciente adulta, nutriz que por alguma razão clínica ou cirúrgica deve ser internada na instituição e se acompanha de filho menor em aleitamento materno exclusivo.

"Embora a instituição informe os riscos e ofereça condições de manutenção do aleitamento através de ordenha e conservação do leite materno, conforme impresso transcrito abaixo, gostaríamos de saber se a assinatura do termo libera a instituição da responsabilidade sob o menor acompanhante e qual a sugestão do departamento para situações com esta.

Eu____________________________________________________________________
RG nº_____________________ paciente internada no quarto nº __________________
da Sociedade Hospital S., declaro para os devidos fins de direito estar ciente do que abaixo segue:

1. eu me encontro sob cuidados médicos e de enfermagem:

2. o bebê que me acompanha para lactação, por orientação do meu pediatra particular, não está doente e, portanto, não está sob os cuidados médicos e de enfermagem da Sociedade Hospital S.;

3. reconheço que o ambiente hospital não é o mais adequado para um bebê sadio, mas assumo a responsabilidade de mantê-lo junto a mim, sob meus exclusivos cuidados e de meu acompanhante, inclusive no que se refere a segurança do menor dentro do hospital, durante o período de minha internação;

4. a instituição claramente desaconselha a presença de acompanhante menor, lactente jovem em aleitamento materno exclusivo ou não e orienta outras opções mais seguras;

5. a Instituição também me informou os riscos aos quais este menor poderá estar sujeito em ambiente hospitalar, incluindo as infecções:

6. a instituição também me ofereceu adequadas condições a manutenção do aleitamento materno exclusivo através de ordenha e conservação de leito, uso do lactário e orientações para este fim."

PARECER

Estão bem estabelecidos na literatura médica internacional os benefícios do aleitamento materno para a nutriz e o bebê, nos primeiros seis meses de vida.

Existem também, de forma definida, as contra-indicações absolutas, tais como mães soropositivas para HIV.

Conhecemos, como sólidas bases em evidências científicas, o grande elenco de benefícios nutricionais, imunológicos, afetivos e outros que o aleitamento materno proporciona ao binômio mãe-filho.

De forma óbvia, um bebê jovem e sadio está sempre pronto e ávido por ser amamentado ao seio. Também é claro que a nutriz, para exercer tal ato fisiológico, precisa ter condições clínicas e psicológicas para tanto, mesmo que esteja em regime de internação hospitalar.

Então, não estando a paciente nutriz em Unidade de Terapia Intensiva ou sendo submetida a farmacoterapia que contra-indique o aleitamento ou apresentando doença infecto-contagiosa que implique em isolamento com as técnicas hospitalares específicas, o simples fato de estar internada não é fator, nem do ponto de vista dela vem do bebê de afastá-los.

Pelo ângulo ético, é de extrema importância que a instituição ofereça informações à mãe e a família sobre a permanência de pacientes e acompanhantes no hospital.

Este relator pensa que o Termo de Ciência constante no anexo da consulta pode ser utilizado; contudo, pelo que se acumulou em relação ao conhecimento sobre anti-sepsia em ambiente médico, o risco para o lactente, excetuando-se situações já exemplificadas, é mínimo; nesse sentido, os itens 3, 4 e 5 do referido Termo podem criar apreensão e constrangimento desnecessários.


Este é o nosso parecer, s.m.j.

Conselheiro Clóvis Francisco Constantino


APROVADO NA 3.470ª REUNIÃO PLENÁRIA, REALIZADA EM 28.04.2006.
HOMOLOGADO NA 3.473ª REUNIÃO PLENÁRIA, REALIZADA EM 02.05.2006.

Imprimir o parecer com a ficha

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2021 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 120 usuários on-line - 1
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior