Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 09-07-2024
    MEETING TRIBUTÁRIO MÉDICO
    Evento inédito discutirá incentivos fiscais e Reforma Tributária para médicos
  • 05-07-2024
    PMMA Defesa do Ato Médico
    Cremesp notifica Anvisa e pede suspensão cautelar imediata de comercialização, venda e distribuição de produtos com PMMA
  • 04-07-2024
    Ética
    Guia de Boas Práticas na Divulgação Médica traz orientações seguras sobre comunicação nas redes sociais
  • 03-07-2024
    Esclarecimento
    Comissão Regional Eleitoral desmente fake news e informa que quatro chapas continuam disputando o pleito em São Paulo
  • Notícias


    11-06-2024

    Conversa com o Cremesp

    Sextanistas da USP puderam tirar dúvidas sobre ética na prática médica durante encontro com conselheiros




    Um encontro informal, no qual os representantes do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) tiraram várias dúvidas trazidas por quem, em breve, estará na área. O objetivo central do programa Conversa com o Cremesp foi cumprido de forma plena, no dia 10 de junho, quando sextanistas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) compareceram em número expressivo ao teatro da escola. Desde o início do evento, os estudantes interagiram com os conselheiros, formulando perguntas  sobre temas como atendimento médico fora de instituição e eventuais limites entre “orientação em saúde” e “consulta”. 

    Conforme informou o conselheiro Chien Yin Lan, o foco deste bate-papo é o comportamento ético durante os atendimentos, para não “cometer erros capazes de culminar em uma sindicância no Conselho”. Como exemplificou a conselheira Eliane Aboud, em Residência Médica, os jovens profissionais respondem por seus atos, porém, “cabe a eles discutir suas condutas com o preceptor”, para obter segurança e respaldo, se necessário. Além deles, também representaram o Cremesp os conselheiros Irene Abramovich, diretora 1ª secretária; e Paulo Henrique Pires De Aguiar, que enfatizou: “um minuto após formado o médico estará submetido a 118 deveres e terá só 12 direitos, de acordo com o Código de Ética Médica. 

    Além dos alunos, os conselheiros foram recepcionados por integrantes do corpo docente da faculdade, entre os quais, Guilherme Lepski, presidente da Comissão de Ética Médica (CEM) do Hospital das Clínicas (HC), e Sylvia Costa Lima Faroat, coordenadora do internato do curso de Medicina. 



    Atendimento
    Os alunos da FMUSP trouxeram tópicos pouco abordados durante esses encontros com o Cremesp. Um deles foi o questionamento sobre a possibilidade de se atender um paciente de forma voluntária, em um ambiente público aberto. Segundo Aguiar, é preciso diferenciar entre dispor-se, por vontade própria, a um “atendimento social” — ou seja, abrir a agenda para pacientes sem recursos, contanto que tenham o mesmo tipo de atendimento destinado aos que pagam —, de um atendimento sem condições estruturais para tanto. 

    Um atendimento em uma praça, sem a chancela de uma instituição, não seria correto, pois não há maneira de salvaguardar a privacidade do atendido, assim como os recursos médicos e tecnológicos necessários, como, ambulância. Para prescrever, ainda, é preciso atender aos critérios da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da prefeitura, quanto ao endereço no qual o médico presta seus atendimentos. 

    Outro aluno perguntou se há diferença entre ir a uma consulta médica e fornecer uma orientação médica a alguém. “A orientação em Saúde não pode ser genérica, é preciso usar a propedêutica”, resumiu o conselheiro Aguiar. O docente Guilherme Lepski completou: “o médico não dá ‘opinião’, dá parecer no decorrer de uma consulta, assumindo a responsabilidade pela vida daqueles que o procuram”. 

    Documentos médicos
    Entre os assuntos mais abordados pelo Conversa com o Cremesp figuram aqueles mais passíveis de erros, em especial, entre recém-formados, como os que envolvem documentos médicos – prontuário, receituários e atestados, inclusive, de óbito – e plantões. 

    Sobre prontuários, Irene Abramovich salientou a importância de se fazer entender por colegas que darão continuidade ao atendimento. “A Residência agrega gente de perfis variados. Por isso, deve-se retratar o observado, de forma que todos entendem. Não pode haver preguiça de escrever”. As anotações em prontuário se destinam ainda a evitar submeter o paciente a situações e exames complementares desnecessários. “Certa vez, vi um doente com quatro pedidos de tomografia, porque um plantonista não viu o que o outro havia solicitado”. 

    Um prontuário bem preenchido é a principal peça de defesa do médico, diante de queixas abertas no Conselho, aponta Chien Yin Lan. “Toda a queixa tem dois lados, o do médico e do atendido. Se você não anotou nada no prontuário, o que vamos achar é que você não fez nada da maneira adequada”. E completou: “faça como deve ser feito e estará legalmente embasado”. 

    Em relação a plantões, Lan provocou: “O que fazer se, ao chegar a um plantão, descobrir que, em vez de três médicos, como o previsto, só há você ?”. Entre as atitudes essenciais figuram informar o encarregado por suprir o necessário aos atendimentos – seja o responsável clínico ou técnico – e denunciar à CEM. De qualquer maneira, o médico deve prosseguir os atendimentos até a chegada de o colega que irá substituí-lo. Isto é, jamais abandonar um plantão. 

    Além desses, foram abordados outros assuntos, como prescrição médica e atestado médico, que exigem consulta e letra legível – se a letra for ruim, o melhor será usar o computador. 

    A conselheira Eliane Aboud mencionou outra responsabilidade a ser assumida por todos os médicos. “A Medicina tem uma liturgia a ser preservada com zelo. Não é possível admitir um médico ofendendo e indo às vias de fato com um colega. Um par de profissão demanda o mesmo respeito a ser destinado aos nossos pacientes”, afirmou. 

    Veja todas as fotos deste evento acessando aqui

    Crédito das fotos: Marina Bustos. 
     


    Este conteúdo teve 1541 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO

    Imagem
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2024 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 397 usuários on-line - 1541
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior

    O CREMESP utiliza cookies, armazenados apenas em caráter temporário, a fim de obter estatísticas para aprimorar a experiência do usuário. A navegação no site implica concordância com esse procedimento, em linha com a Política de Cookies do CREMESP. Saiba mais em nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados.