Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 27-11-2020
    Nova edição
    Transplantes são tema da nova edição da Revista Ser Médico
  • 26-11-2020
    Evento online
    Cremesp fala sobre impacto das provas de residência médica no currículo de graduação em encontro da EPM/Unifesp
  • 23-11-2020
    Plenária
    Cremesp cobra regulamentação de lei que estende a isenção do rodízio para médicos da Região Metropolitana de São Paulo
  • 20-11-2020
    Vacinas
    Live no Cremesp aborda imunizantes contra a covid-19 em desenvolvimento
  • Notícias


    09-11-2020

    Câmara Técnica

    Tromboembolismo Venoso (TEV) na Ortopedia

    Os achados clínicos de episódios tromboembólicos têm aumentado consideravelmente nos atendimentos ambulatoriais dos últimos anos. Seguramente, diversos fatores corroboraram para a ascensão e alteração do perfil da doença, o que demandou atenção dessa Câmara Técnica. 

    Os casos clássicos em que o uso de medicamentos antitrombóticos são consagrados, --tais como as artroplastias de quadril e joelho, fraturas de fêmur, fraturas de bacia, cirurgias de coluna, cirurgias de grande porte--, ou que devido a fatores técnicos ultrapassam  90 minutos, trombose venosa prévia e puérperas até a 6º semana, são casos de indicação formal. 

    O que tem suscitado dúvida são os casos onde não há formalidade no uso dos antitrombóticos, como as cirurgias das extremidades, as imobilizações após trauma, as artroscopias, etc. 

    Todas as recomendações abaixo visam abranger, de uma forma resumida, a maioria dos procedimentos ortopédicos em pacientes sem co-morbidades prévias.

    Dessa forma, podemos considerar que: 

    1. Imobilização dos Membros Superiores
    Não há respaldo na literatura para uso de medicamento antitrombótico nas cirurgias e imobilizações dos Membros Superiores. 

    2. Imobilizações em Membros Inferiores: 
    2.1. Considere profilaxia farmacológica de TEV com medicamento antitrombótico oral para as pessoas com imobilização de membros inferiores cujo risco de TEV supera seu risco de sangramento. 
    São fatores de risco que podem favorecer eventos TEV: mulheres em uso de anticoncepcional, puérperas até a 6º semana, obesidade, faixa etária acima de 70 anos, imobilização no leito. 

    2.2. Viagens Aéreas 
    Em uso de “Robot Foot”, Goteira, Gesso circular ou Gesso acrílico, seguir orientação constante no item 2.1. 

    Nos casos de viagens prolongadas, acima de 1 hora, mesmo com possibilidade de caminhar nos corredores e sem fatores de risco prévio, sugere-se o uso de profilaxia para TEV. 

    2.3. Nos casos de imobilização prolongada em uso de profilaxia para TEV, considere interromper a profilaxia se a imobilização do membro inferior for continua além de 42 dias. 

    3. Fraturas da pelve, quadril e fêmur proximal tratadas  conservadoramente 
    Não há consenso na literatura, mas mesmo sem fatores de risco sugere-se o uso de profilaxia para TEV, iniciando após 6 horas do trauma e oferecer profilaxia de TEV por um mês se o risco de TEV superar o risco de sangramento. 

    4. Fraturas cirúrgicas do pé e tornozelo:
    Considere a profilaxia farmacológica de TEV : 

    4.1. Quando requer imobilização (por exemplo, artrodese ou artroplastia); considerar interromper a profilaxia se a imobilização continuar além de 42 dias, 
    4.2. Quando o tempo total de anestesia for superior a 90 minutos, 
    4.3. Quando o risco da pessoal de TEV superar o risco de sangramento.
     
    5. Artroscopias de joelho e tornozelo: 
    5.1. Esteja ciente de que a profilaxia de TEV geralmente não é necessária para pessoas submetidas as cirurgias artroscópicas dos MMII onde: 

    5.1.1. O tempo total de anestesia é inferior a 90 minutos, 
    5.1. 2. O paciente tem baixo risco de TEV. 
    5.2. Nos pacientes cujo tempo cirúrgico for superior a 90 minutos, sugere-se o uso de antitrombótico oral iniciando 6-12 horas após a cirurgia e mantido por 14 dias. 


    LUCIO TADEU FIGUEIREDO – Coordenador

    ANTONIO AUGUSTO NUNES DE ABREU

    CLEUGEN LUIZ BONETTI

    EVANDRO PALÁCIO

    GUILHERME PEREIRA DA SILVA JUNIOR

    JOÃO BAPTISTA GOMES DOS SANTOS

    JORGE ALBERTO DE CASTRO VERAS

    MARCELO TOMANIK MERCADANTE

    OSMAR PEDRO ARBIX DE CAMARGO

    Agradecimento: Dra. Ana Clara Kneese Nascimento
                                Assistente da Santa Casa de São Paulo


    Este conteúdo teve 2744 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 316 usuários on-line - 2744
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior