Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 20-09-2019
    Médicos pelo Brasil
    Cremesp repudia inclusão sem critérios de cubanos em programa e recomenda que parlamentares rejeitem medidas
  • 20-09-2019
    Formados no exterior
    Cremesp cancela registro de médicos que fraudaram revalidação de diploma
  • 20-09-2019
    Defesa da Medicina
    Cremesp cancela CRM de formados no exterior que fraudaram revalidação de diploma e aciona parlamentares pela exigência do Revalida
  • 19-09-2019
    Febre maculosa
    Semana de mobilização contra doença acontece na Capital e região Metropolitana de São Paulo, de 16 a 20 de setembro
  • Notícias


    04-09-2019

    Audiência na Alesp

    Teleconsulta é inviável, mas outras condutas da telemedicina já poderiam estar regulamentadas, destaca presidente do Cremesp

    A consulta médica à distância é impraticável no momento e não deve ser regulamentada, mas outras condutas da telemedicina já poderiam estar normatizadas, segundo o presidente do Cremesp, Mário Jorge Tsuchiya. Ele participou da audiência pública sobre telemedicina na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), na segunda-feira, 2 de agosto, que reuniu médicos e profissionais da área de ensino à distância. “Já passamos da etapa se de ser contra ou a favor da telemedicina”, afirmou Tsuchiya, destacando que diversos procedimentos médicos já se utilizam dessa tecnologia. “As pessoas confundem e associam a telemedicina somente à consulta médica à distância, o que no momento não há como realizar", reforçou o presidente do Cremesp. 

    A audiência foi convocada pela deputada estadual Janaina Paschoal e discutiu, entre outros, a resolução nº 2.227/2018 do Conselho Federal de Medicina (CFM), que pretendia regulamentar a telemedicina no Brasil, mas que foi revogada após críticas do Cremesp e demais conselhos regionais do País. Além de Tsuchiya, a mesa de debates contou com a participação de Chao Lung Wen, professor e chefe da disciplina de Telemedicina da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP); Stavros Xanthopoylos, pró-reitor da Universidade Brasil; e Marco Aurélio Vamondes Kulcsar, chefe do Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, entre outros. 

    Pelo Cremesp, também participaram seu 1º-secretário, Angelo Vattimo; e coordenadores do Departamento Jurídico e das Delegacias da Capital e Região Metropolitana, respectivamente, Lyane Gomes de Matos Teixeira Cardoso Alves e Pedro Sinkevicius Neto.      


    Da esq. para a dir.: Mario Tsuchiya e Janaína Paschoal
     

    Tsuchiya esclareceu que o Cremesp posicionou-se contrário à resolução do CFM, principalmente, devido à maneira como foi conduzida, sem a necessária discussão com os conselhos e a comunidade médica. Ele observou que a resolução tinha pontos positivos, mas também equívocos, como a falta de clareza com relação à consulta médica à distância.  

    Para o presidente do Cremesp, a telemedicina é muito abrangente, sendo mais efetiva a regulamentação do que já existe, por área e pouco a pouco. Tsuchiya manifestou preocupação com os custos e com o acesso democrático à telemedicina, principalmente no Sistema Único de Saúde (SUS); com o sigilo das informações do prontuário médico e com a capacitação profissional, entre outros.  

    O professor Chao Lung Wen defendeu um maior investimento na formação médica. “Não existe divergência entre Medicina e telemedicina”, avaliou.  “Temos a perspectiva de tornar a Medicina conectada, abrangendo muito mais. É muito provável que vamos integrar muito mais serviços”, observou. “Mas isto não será possível sem formamos pessoas, sem investirmos em educação e sem promovermos pesquisas”, concluiu o professor. 

    Janaina Paschoal defendeu a criação de um prontuário único dentro do SUS, que registre todos os exames, consultas e procedimentos médicos realizados ao longo da vida do paciente.  A deputada também argumentou em favor de um sistema de comunicação e envio de laudos de exames diretamente ao paciente, quando seu resultado fosse considerado “normal”, para que ele não precisasse passar por uma nova consulta médica. A deputada ainda afirmou que defende essa proposta porque “mais de 80% dos exames” apresentam resultados “normais”. 

     O 1º- secretário do Cremesp, Angelo Vattimo, argumentou que o médico que assiste o paciente não pode ser substituído. “O exame é um acessório periférico da consulta. Muitos exames ‘normais’, escondem algumas informações nas entrelinhas”, alertou Vattimo, reconhecendo também que há excessos nos pedidos, o que eleva os custos, tanto na saúde pública como na privada. Vattimo observou que a telemedicina representa um avanço inexorável, mas destacou que o Cremesp também está preocupado com os interesses que envolvem a questão.  “A quem interessa, no momento, a teleconsulta? Às operadoras de planos de saúde, com intuito de reduzir custos, diminuindo o afluxo de pacientes aos prontos-socorros e consultórios”, avaliou o conselheiro. Vattimo ponderou também que a telemedicina poderá melhorar a eficiência da assistência à saúde, desde que bem regulamentada.  


    A audiência pública teve a participação de conselheiros do Cremesp
     

    De acordo com a coordenadora do Jurídico do Cremesp, Lyane  Cardoso, “a telemedicina não pode, como meio de praticar a Medicina, ferir os pilares básicos do exercício da Medicina”. Para a conselheira, a proposta de o paciente receber o resultado do exame por outro profissional e por qualquer meio de comunicação, em vez de o médico que o assiste, quebra o pilar da Medicina presencial.  “Há resultados falsos negativos e falsos positivos em exames”, alertou. “Não cabe ao médico que realiza o exame complementar dar a notícia ao paciente. Esse é um pilar da Medicina; e a telemedicina não veio para mudar isso, mas, sim, como uma ferramenta para dar eficiência ao sistema”, destacou.  Ela ainda frisou que o sigilo dos dados do paciente é outro pilar da Medicina que não pode ser flexibilizado. Lyane também explanou sobre a teleinterconsulta, na qual, por exemplo, um médico do atendimento básico conversa com o especialista na outra ponta do sistema. “A teleinterconsulta é absolutamemente regular”, observou ela, diferente da teleconsulta.  

    Ao final do evento, a Janaina Paschoal avaliou que houve um consenso sobre a impraticabilidade da teleconsulta. A deputada também se disponibilizou a promover outros encontros para ampliar a discussão do assunto na Alesp.

    Veja aqui o vídeo da audiência pública sobre telemedicina na Alesp.

    Fotos: Osmar Bustos
     


    Este conteúdo teve 677 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


    ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 257 usuários on-line - 677
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior