Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 23-03-2017
    Remuneração
    Em uma semana, Cremesp recebe 13 denúncias com mais de 100 médicos 
  • 22-03-2017
    Alerta Ético
    Segunda Opinião Médica é um direito do paciente e faz parte de sua autonomia na relação médico-paciente
  • 20-03-2017
    Campanha
    Cremesp, ABN, ABRAMET e ARTESP lançam campanha pela redução de acidentes de trânsito causados pelos distúrbios de sono
  • 17-03-2017
    Nota Pública
    Cremesp repudia declaração infundada de Ministro da Saúde e exige respeito aos médicos
  • Notícias


    19-12-2016

    Mauro Aranha

    A saúde pública, enquanto agoniza

        

    “O estudo do Cremesp, junto a diretores clínicos de hospitais públicos, revela a crítica situação da mais rica metrópole brasileira: sinal patognomônico de uma grave doença, a que podemos chamar de doença Brasil”

     

    O Datafolha acaba de revelar que a saúde é a principal preocupação da população. Hoje, 33% dos brasileiros colocam-na em primeiro lugar entre os mais graves problemas do País, superando inclusive a corrupção endêmica e institucionalizada.

    A insegurança de quem necessita de assistência advém de fatores bastante conhecidos, como gestão incompetente, falta de investimentos e o consequente sucateamento do Sistema Único de Saúde (SUS). Isso é sobejamente evidenciado por recente levantamento do Cremesp, junto a diretores clínicos de 17 instituições, registrando ocupação de 100% de UTIs para adultos em hospitais públicos municipais, estaduais, filantrópicos e autarquias da Capital paulista. O que obriga o paciente grave a receber cuidados intensivos na retaguarda dos prontos-socorros enquanto espera por até dois dias para sua transferência.

    Pela gravidade do quadro, o mínimo a esperar seria uma intervenção urgente e coordenada de todas as instâncias de governo para garantir segurança àqueles que já se encontram em situação de iminente risco à vida. Contudo, o movimento a que assistimos vai em caminho inverso. A “PEC do Teto”, recém-aprovada pelo Legislativo Federal, congelou as dotações orçamentárias da saúde por 20 anos, restringindo-as à correção pela inflação.

    Se considerarmos que os índices inflacionários são bem menores que os da área da Saúde, o decréscimo orçamentário será espantoso. Já se estima em algo próximo de mais de R$ 400 bilhões em duas décadas. Assim, só podemos esperar uma tragédia anunciada.

    O estudo do Cremesp revela a crítica situação da mais rica metrópole brasileira: sinal patognomônico de uma grave doença, a que podemos chamar de doença Brasil. Pacientes que acorrem ao pronto atendimento, atendidos e referenciados para cirurgias eletivas em curto prazo, também não conseguem vagas em hospitais secundários e terciários da rede. Há demora de três a quatro semanas para a realização de tais procedimentos.

    Entre outras lacunas e insuficiências da atenção à saúde pública, tem-se o contingenciamento de leitos, insumos e serviços da ordem de 20% até 30% na maioria das instituições avaliadas.

    A verdade é uma só: a saúde pública está muito doente. O que nos cabe, faremos, para salvá-la.

    Presidente do Cremesp

    Artigo originalmente publicado no Jornal do Cremesp, edição 343, dezembro de 2016.

    Tags: saúdepesquisapopulação.

    ESTA MATÉRIA AINDA NÃO FOI COMENTADA:

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 622 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede - Consolação: Rua da Consolação, 753
    Centro - São Paulo/SP - 01301-910

    Sede - Luís Coelho: Rua Luís Coelho, 26
    Consolação - São Paulo/SP - 01309-900

    Subsede - Vila Mariana: Rua Domingos de Moraes, 1810
    Vila Mariana – São Paulo/SP - 04010-200

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 5908-5600 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


    ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2017 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 69 usuários on-line - 622
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior