Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 20-07-2024
    Movimento do Ato Médico
    Cremesp vence ação civil promovida contra clínica farmacêutica que realizava procedimentos estéticos
  • 19-07-2024
    Evento
    Cremesp realiza entrega de carteiras e honrarias a médicos em São José do Rio Preto
  • 18-07-2024
    Defesa da população
    Cremesp oficia MP e Polícia Civil sobre anúncios divulgados nas redes sociais com atores que se passam por médicos para venda de medicamentos
  • 17-07-2024
    Evento inédito
    Cremesp realizará 1º Simpósio de Acupuntura, que discutirá as patologias tratadas pela especialidade e as novas perspectivas de tratamento
  • Notícias


    23-10-2016

    Intoxicação alcoólica

    Estudo da Unifesp alerta: binge drinking aumenta comportamento de risco

     

    Pesquisa pioneira da Unifesp mostra os efeitos
    da intoxicação alcoólica, principalmente em jovens,
    após as baladas noturnas

     

    Não basta beber, tem de se intoxicar. É o que se pode deduzir do estudo realizado pela Escola Paulista de Medicina (EPM), da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), sobre a prática do binge drinking nas baladas noturnas, por 29,6% dos homens e 22,1% das mulheres que participaram da pesquisa, na cidade de São Paulo. Binge drinking (farra alcoólica) significa beber muito, em pouco tempo, com a intenção de ficar embriagado – consumindo-se quatro doses, no caso das mulheres, e cinco, para homens, em um período de duas horas. Esse padrão é considerado a forma mais arriscada de consumo alcoólico por jovens, no mundo. Pode resultar em intoxicação severa e contribui para o desenvolvimento de situações de risco para quem bebe e para aqueles ao seu redor.

    A pesquisa revela que dentre os entrevistados (mostra total, incluindo binge e não binge) 27,9% dos homens e 20,4% das mulheres, entre 18 e 24 anos, dirigem embriagados após sair de casas noturnas. Porém, aqueles que têm concentrações alcoólicas no sangue equivalentes à prática consomem mais drogas ilícitas, como maconha ou haxixe, cocaína, inalantes, ecstasy, anfetaminas, benzodiazepínicos e alucinógenos como o LSD. Nos homens que praticam binge o consumo dessas drogas é 2,54 vezes maior do que entre os que bebem sem binge. Dentre os sujeitos que praticam o binge, o consumo delas ocorre, após a saída da balada, em 20,7% dos homens e 11,5% das mulheres. Ainda dentro da balada, o consumo dessas drogas atinge 42,2% dos homens e 32,4% das mulheres com binge.

    Além disso, os praticantes de binge têm um comportamento sexual de risco de 11,4%, entre os homens, e 6,8%, entre as mulheres. Foi considerado, nesse comportamento, o sexo sem camisinha (com parceiro desconhecido ou conhecido), arrependimento posterior à relação e sexo não consensual.

    A prática do binge eleva também, em 5,8 vezes, o risco de um novo episódio de uso de álcool entre as mulheres que bebem. A amnésia alcoólica (não se lembrar do que aconteceu devido ao abuso de álcool) também é maior entre as pessoas que têm concentrações de álcool no sangue equivalentes à prática.

    Publicado na revista científica on-line Plos One, a pesquisa é pioneira por descrever os comportamentos de risco de jovens após saírem das baladas noturnas. “Em geral, o foco dos estudos internacionais está apenas no que ocorre dentro desses estabelecimentos”, explica a professora do Departamento de Medicina Preventiva da EPM, Zila Sanchez, que coordenou a pesquisa. O estudo integra o projeto Balada com Ciência, que analisa o comportamento do jovem antes, durante e depois de uma festa à noite.


    Método         

    Participaram do estudo, como voluntários, 1.222 homens e mulheres, a maioria jovem, de 18 a 24 anos, solteira, de classe média alta e com ensino superior completo. Eles foram entrevistados por uma equipe formada por oi­to pesquisadores, que abordava cerca de 75 “baladeiros” ao longo da noite. A eles eram explicados os procedimentos éticos e de proteção ao anonimato e sigilo que guiam a pesquisa, e era realizada uma entrevista de 5 a 10 minutos, além de um teste de bafômetro. Na saída dos eventos, ambos os procedimentos eram refeitos. Foram realizadas entrevistas em 31 casas noturnas da cidade da São Paulo. Além disso, no dia seguinte, um questionário on-line era enviado para o e-mail do participante.

    Para Zila Sanchez, o álcool não é reconhecido como droga, o que faz com que seja visto pela sociedade como pouco nocivo. “No entanto, a maior parte dos danos causados por drogas no mundo são decorrentes do abuso e dependência de álcool”, declara. Segundo ela, políticas públicas direcionadas a reduzir o consumo de álcool por clientes de casas noturnas, bem como o treinamento dos funcionários desses estabelecimentos, a fim de evitar a venda de bebidas a indivíduos já alcoolizados, seriam caminhos para proteger as pessoas de comportamentos de risco associados ao binge drinking.

     

    Veja íntegra desta matéria: Revista Ser Médico nº 76

     

    Tags: Binge drinkingfarra alcoólicaintoxicaçãoálcoolpesquisaUnifespcomportamentorisco.

    Veja os comentários desta matéria


    Triste sociedade a nossa, cujos jovens são educados, desde pequenos, a confundirem dinheiro com êxito, com felicidade. Não admira que tenhamos que ver essa mesma sociedade buscando formas de atenuar suas frustrações, a ansiedade pelo ter e não pelo ser. Representada muito bem pela visão hedonista (só prazer). Milhares de pacientes deprimido(as), em número cada vez maior buscando antidepressivos, ansiolíticos. O álcool é apenas mais um desses mecanismos de escape. Nós, médicos, também colaboramos para esses mecanismos de escape, utilizando, sem critérios mais sensatos, medicações antidepressivas e ansiolíticas. É a pobreza do discurso médico, em que, por falta de uma visão holística da Medicina, lança-se mão do mais fácil: a medicação. Temos de ampliar a visão humanística em nossas faculdades de Medicina. Não quero ser pesado em meus comentários, mas a complexidade do tema requer uma discussão maior, sem medo e hipocrisia, sobre nossos valores profissionais e como cidadãos.
    welson geraldo

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 324 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO

    Imagem
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2024 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 640 usuários on-line - 324
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior

    O CREMESP utiliza cookies, armazenados apenas em caráter temporário, a fim de obter estatísticas para aprimorar a experiência do usuário. A navegação no site implica concordância com esse procedimento, em linha com a Política de Cookies do CREMESP. Saiba mais em nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados.