Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 09-07-2024
    MEETING TRIBUTÁRIO MÉDICO
    Evento inédito discutirá incentivos fiscais e Reforma Tributária para médicos
  • 05-07-2024
    PMMA Defesa do Ato Médico
    Cremesp notifica Anvisa e pede suspensão cautelar imediata de comercialização, venda e distribuição de produtos com PMMA
  • 04-07-2024
    Ética
    Guia de Boas Práticas na Divulgação Médica traz orientações seguras sobre comunicação nas redes sociais
  • 03-07-2024
    Esclarecimento
    Comissão Regional Eleitoral desmente fake news e informa que quatro chapas continuam disputando o pleito em São Paulo
  • Notícias


    27-07-2016

    Saúde suplementar

    Encontro na sede da APM alerta para contratos irregulares enviados aos médicos


    Renato Azevedo (ao microfone): "Os colegas devem rejeitar a assinatura
    de novos contratos impostos pelas operadoras que eventualmente
    estejam com reajuste abaixo da inflação."


    A Comissão Estadual de Negociação – formada pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), Associação Paulista de Medicina (APM) e Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), com apoio da Academia de Medicina de São Paulo, das sociedades de especialidades e Regionais da APM – avaliou, neste 25 de julho, a discrepância absurda entre os índices de reajustes dos planos de saúde para o consumidor e o reajuste concedido para os procedimentos médicos.

    A Agência Nacional de Saúde Suplementar  (ANS) autorizou um reajuste de até 13,57% nas mensalidades dos planos de saúde individuais, e os planos coletivos por adesão aumentaram cerca de 20% este ano, mas as operadoras ofereceram cerca de 2,13% de reajuste para os procedimentos médicos, ou seja, apenas 20% do valor do IPCA, considerando o índice de 10,67% acumulado em 2015. E considera válidas cláusulas impondo frações de índices como reajuste, a exemplo do que fez a Sabesprev, Porto Seguro, Notredame/Intermédica, Mediservice, Gama, Cassi, Bradesco, SulAmérica, Gama, Assefaz, Cabesp e Caixa, entre outros.  O levantamento das cláusulas inaceitáveis e em desacordo com a Lei 13.003/14 foi feito a partir de contratos de 14 operadoras recebidos pela Defesa Profissional da APM.

    Segundo Florisval Meinão, presidente da APM, "a ANS entende que, mesmo com a fração de índice, houve reajuste e, se o médico assinou o contrato com a operadora, aceitou os termos, e alega não ter como interferir. Por isso fazemos o apelo de que o médico não aceite contratos com cláusulas prejudiciais a ele e, em caso de dúvidas, encaminhe a minuta para avaliação da Defesa Profissional da APM. Temos todo o cuidado de preservar o nome dos médicos nos contratos, de maneira a não expô-los diante das operadoras.”

    Para o conselheiro do Cremesp, Renato Azevedo Júnior,  "os planos de saúde continuam tentando impor aos médicos a redução dos índices de reajuste com frações do IPCA, o que é inaceitável, e até mesmo a inexistência de uma cláusula de reajuste nos contratos, com periodicidade, conforme determina a Lei 13.003/14." E enfatiza: "além disso, muitas empresas também oferecem redes credenciadas cada vez menores e negativas de coberturas, exames e procedimentos, que engrossam as estatísticas de reclamações e de processos judiciais dos pacientes contra os planos."

    Azevedo Júnior alerta: "os médicos devem ficar atentos às cláusulas da contratualização e rejeitar a assinatura de novos contratos impostos pelas operadoras e que eventualmente estejam com reajuste abaixo da inflação."


     



    Veja também:

    Saúde suplementar
    Cartilha com orientações aos médicos sobre descontratualização é lançada pelo CFM e AMB

     

    Fotos: Osmar Bustos

     

    Tags: planos de saúdeoperadorascontratualizaçãohonoráriosprocedimentosAgência Nacional de SaúdeANS.

    ESTA MATÉRIA AINDA NÃO FOI COMENTADA:

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 318 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO

    Imagem
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2024 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 514 usuários on-line - 318
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior

    O CREMESP utiliza cookies, armazenados apenas em caráter temporário, a fim de obter estatísticas para aprimorar a experiência do usuário. A navegação no site implica concordância com esse procedimento, em linha com a Política de Cookies do CREMESP. Saiba mais em nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados.