Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 09-07-2024
    MEETING TRIBUTÁRIO MÉDICO
    Evento inédito discutirá incentivos fiscais e Reforma Tributária para médicos
  • 05-07-2024
    PMMA Defesa do Ato Médico
    Cremesp notifica Anvisa e pede suspensão cautelar imediata de comercialização, venda e distribuição de produtos com PMMA
  • 04-07-2024
    Ética
    Guia de Boas Práticas na Divulgação Médica traz orientações seguras sobre comunicação nas redes sociais
  • 03-07-2024
    Esclarecimento
    Comissão Regional Eleitoral desmente fake news e informa que quatro chapas continuam disputando o pleito em São Paulo
  • Notícias


    03-05-2016

    Roberto Lotfi

    A interferência dos planos de saúde

     

    O atual modus operandi das operadoras da Saúde Suplementar brasileira é uma afronta à autonomia dos médicos e ao bom exercício da Medicina. Com olhar mercantilista e crescente falta de compromisso com a assistência de qualidade e com os pacientes, muitos planos pressionam profissionais a reduzir solicitações de exames essenciais e a antecipar altas ou não internar. Além disso, remuneram irrisoriamente as consultas e procedimentos, descontam dos médicos pedidos de  exames  que,  sem nenhum  critério ou  conhecimento, acham desnecessários ou que ultrapassam  malfadadas  metas. 

    Os próprios pacientes têm a percepção de que há algo de podre no reino da Saúde Suplementar. A pressão das empresas foi apontada por eles em pesquisa realizada pelo Datafolha, em 2015, encomendada pela Associação Paulista de Medicina: 68% dizem que existem dificuldades para a realização de procedimentos ou exames de maior custo. Pacientes vêm os médicos como a eles próprios: no papel de vítimas dos planos. E estão corretos.

    Diante de tal cenário, fica cada vez mais difícil assegurar uma investigação assertiva e tratamento de qualidade aos cidadãos. Os abusos de certas operadoras prejudicam, sobretudo, o usuário, a parte mais frágil, que sofre com a demora para a autorização de procedimentos, negativas de cobertura e a crescente burocracia.

    Passamos anos preparando-nos e atualizando-nos, a fim de prover um atendimento de primeira linha. Contudo, somos afrontados por empresas que visam somente ao lucro.

    De janeiro a fevereiro de 2016, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) registrou 2.238 reclamações contra planos de saúde em todo o Brasil. E a insatisfação se multiplica rapidamente.

    A ingerência nas decisões dos profissionais é inaceitável e deve ser coibida com rigor. É nossa responsabilidade exigir que sejam empregados todos os pontos receitados para a assistência, sem obstáculos a aplicações terapêuticas.

    Os médicos já enfrentam problemas graves em virtude da sub-remuneração. Os honorários pagos atualmente va­riam entre R$ 40 e R$ 77. Deduzidos impostos e despesas de consultório, como manutenção e funcionários, sobra quase nada. Por isso, muitos são obrigados a acumular vários trabalhos, exercendo carga horária extensa, desumana.

    É imprescindível o alinhamento de interesses entre os profissionais de Medicina e os planos, considerando que o objetivo, quando se fala em saúde, deve ser um só: cuidar dos pacientes com dignidade  nos momentos em que se encontram mais vulneráveis.

     

    Roberto Lotfi é diretor 1º tesoureiro do Cremesp

     

    Tags: saúde suplementaroperadoraspacientesmédicos.

    ESTA MATÉRIA AINDA NÃO FOI COMENTADA:

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 334 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO

    Imagem
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2024 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 402 usuários on-line - 334
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior

    O CREMESP utiliza cookies, armazenados apenas em caráter temporário, a fim de obter estatísticas para aprimorar a experiência do usuário. A navegação no site implica concordância com esse procedimento, em linha com a Política de Cookies do CREMESP. Saiba mais em nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados.