Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 17-05-2024
    Pré-eclâmpsia
    Área Técnica da Mulher e Comitê de Mortalidade Materna promovem evento online 
  • 17-05-2024
    Prescrição médica
    Anvisa aprova normativa para controle mais severo de medicamentos como o zolpidem e zopiclona
  • 17-05-2024
    Controle epidemiológico
    Cremesp defende reinserção à OMS de Taiwan, considerada área de alto risco de coronavírus
  • 15-05-2024
    Força-tarefa RS
    Cremesp apoia ação humanitária de profissionais da saúde às vítimas das enchentes
  • Notícias


    02-03-2016

    Bioética

    Debates éticos cercam a epidemia de microcefalia associada ao Zika vírus

    Grupo de Brasília organiza-se para propor
    ao Supremo Tribunal Federal (STF) direito de aborto
    em gestações de bebês com microcefalia

     

    O Brasil enfrenta viroses cujo vetor é o mosquito Aedes aegypti, capazes de causar inseguranças e preocupação ao governo, autoridades em saúde pública, pesquisadores, médicos e população. A mais recente é transmitida pelo Zika que, pelas evidências de associação com o nascimento de bebês microcefálicos, suscita importantes dilemas éticos e bioéticos. O Conselho Regional de Medicina (Cremesp) insere-se nesta reflexão com a cautela merecida, consciente de que esta não se esgota em um debate ou matéria de jornal.

    Identificado pela primeira vez no País em abril de 2015, continuam em andamento pesquisas voltadas a questões sobre a propagação do vírus; forma de atuação no organismo humano; época de transmissão ao feto; e período de maior vulnerabilidade às grávidas – análise inicial de pesquisadores ligados ao Ministério da Saúde (MS) indica que o risco maior dá-se no primeiro trimestre. A essas incertezas, a Sociedade Brasileira de Genética Médica (SBGM) acrescenta outras, envolvendo detalhes sobre a história natural da doença ou qual proporção de bebês de mães infectadas durante a gravidez que desenvolverão a embrio/fetopatia.

    O que há de estabelecido é a correlação entre o Zika e a microcefalia, desde que o instituto Evandro Chagas, em Belém (PA), identificou, pelo exame de Proteína C Reativa (PCR), a presença do vírus em amostras de sangue e tecidos em bebê nascida no Ceará.  Somaram-se a este outros cinco casos semelhantes, conforme boletim do MS, no final de janeiro. Lembrando que a  Organização Mundial de Saúde (OMS) define microcefalia como a condição que acomete bebês nascidos a termo com perímetro cefálico igual ou inferior a 32 centímetros.


    Direito ao aborto?

    Perante esses achados, grupos – como o liderado pela antropóloga Débora Diniz, do instituto Anis e professora da UnB –, organizam-se para propor ao Supremo Tribunal Federal (STF) ação pelo direito de aborto em gestações de bebês com microcefalia. O argumento é de que o governo seria o “responsável” pela epidemia do Zika, ao não controlar o mosquito, e “as mulheres não poderiam ser penalizadas” pelas consequências de políticas públicas falhas.

    Como conta Cláudia Colucci, repórter especial de Saúde da Folha de S. Paulo, o grupo pretende traçar uma analogia entre o contágio das grávidas e o estupro. “Eles defendem que, apesar de terem feito o pré-natal corretamente, as mulheres são surpreendidas por anomalia em seus bebês para a qual não estavam preparadas, nem psicológica nem financeiramente”.


    Outras causas da microcefalia

    Pontos a serem considerados em tais ponderações: nem sempre a microcefalia é causada pelo Zika. Há outros vírus que resultam na malformação, como o do herpes, citomegalovírus, rubéola, além da bactéria Treponema pallidum, da sífilis. “Há um número absurdo de casos da sífilis congênita no Brasil, que pode levar à microcefalia”, lembrou David Uip, secretário Estadual de Saúde.  Fatores ambientais, além dos genéticos, relacionam-se à condição, como o uso de álcool e exposição à radiação na gravidez.

    Como afirma Krikor Boya­ciyan, coordenador da Câmara Técnica de Ginecologia e Obstetrícia e diretor do Cremesp, “o Conselho ainda está discutindo o tema a respeito da proposta de antecipação terapêutica do parto no caso de microcefalia. É difícil avaliar como será o futuro das crianças, mas uma coisa é certa: trata-se de síndrome compatível com a vida”, diferente, por exemplo, de outras, como as de Patau e Edwards (veja box).

    “A grande maioria sobrevive”, concorda Cláudia Colucci, razão pela qual é provável que não haja autorização judicial para interrupção de gestação por microcefalia, ainda que motivada pelo Zika vírus.

     


    Zika: além do mosquito?

    O governo federal criou sistema específico para receber dados sobre o nascimento de bebês com microcefalia. Balanço do final de janeiro apontava para 3.448 suspeitos; outros 270 confirmados, e 462 descartados.

    Até o momento não existem evidências científicas de disseminação do Zika por meio de leite materno, urina, saliva e sêmen. Porém, dois casos registrados nos EUA de eventual transmissão sexual do vírus levaram à OMS a solicitar “investigações mais apuradas” quanto a outras maneiras de contágio.

     


    Patau e Edwards

    Ainda que todas sejam consideradas malformações congênitas, durante as discussões éticas e bioéticas, pode causar confusão colocar no mesmo bojo microcefalia e outras síndromes genéticas, como Patau e Edwards. Diferente da microcefalia, essas síndromes são tidas como “incompatíveis com a vida”, na maioria dos casos; estão associadas à idade madura da mãe; e não apresentam correlação com vírus.

    Resultante da trissomia do cromossomo 13, os portadores de Síndrome de Patau apresentam graves malformações do sistema nervoso central, e a maioria dos nascidos vivos morre antes de completar um mês. Em relação à trissomia do cromossomo 18 – Síndrome de Edwards –, aproximadamente 50% das crianças não sobrevivem à primeira semana após o nascimento. 

    Tags: Aedes aegyptizikamicrocefaliaepidemiabebêsética.

    Veja os comentários desta matéria


    Primeiramente, parabenizo o CREMESP por trazer à tona uma discussão tão delicada, mas ao mesmo tempo, tão relevante do ponto de vista social. Penso que temos que tomar decisões baseadas em fatos: 1 - o aborto não é agradavél para nenhuma mulher que pensa nisso. A primeira coisa que ela precisa é ser ACOLHIDA por uma equipe multidisciplinar, que cuide dela em todas as suas dimensões de PESSOA humana. Dados da Organização Mundial da Saúde mostram que os paises onde o aborto é proibido têm maior número de abortos inseguros, e em países onde as leis são liberais, o número de abortos não é maior que onde é proibido. Acredito que proibir só penaliza quem não têm condições de pagar e acaba colocando em risco a própria vida. 2 - por outro lado, é preciso pensar nas consequências de liberar aborto para casos de anencefalia e não abrir precedente para abortar diante de qualquer problema genético. 3 - a pergunta é: que sociedade queremos construir no futuro? Vamos agir com prudência, diria o bioeticista Diego Gracia.
    Márcia Pauferro

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 191 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2024 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 414 usuários on-line - 191
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior

    O CREMESP utiliza cookies, armazenados apenas em caráter temporário, a fim de obter estatísticas para aprimorar a experiência do usuário. A navegação no site implica concordância com esse procedimento, em linha com a Política de Cookies do CREMESP. Saiba mais em nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados.