Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 20-07-2024
    Movimento do Ato Médico
    Cremesp vence ação civil promovida contra clínica farmacêutica que realizava procedimentos estéticos
  • 19-07-2024
    Evento
    Cremesp realiza entrega de carteiras e honrarias a médicos em São José do Rio Preto
  • 18-07-2024
    Defesa da população
    Cremesp oficia MP e Polícia Civil sobre anúncios divulgados nas redes sociais com atores que se passam por médicos para venda de medicamentos
  • 17-07-2024
    Evento inédito
    Cremesp realizará 1º Simpósio de Acupuntura, que discutirá as patologias tratadas pela especialidade e as novas perspectivas de tratamento
  • Notícias


    15-12-2014

    Jornal Folha de SP

    Os desafios a enfrentar na saúde

    José Gomes Temporão*

     


    Um maior desenvolvimento sustentável do país requer dar atenção especial à saúde e incluí-la nos projetos de todas as políticas públicas

     

    A saúde permanece em pauta em no Brasil estimulando acirradas polêmicas. Em sua dimensão humana básica, é vislumbrada como eterna demanda estampada nas páginas da grande imprensa e em acalorados debates nas redes sociais.

    Entretanto, a nossa reflexão é que o retrato desse rico processo de discussão se volta para as dificuldades de acesso das famílias a recursos como ressonâncias magnéticas, medicamentos de última geração, hospitais e especialistas, o que desvenda, na realidade, não a preocupação com a produção de saúde, mas com a doença presente e instalada.

    Segundo o psicanalista inglês Donald Winnicott (1896-1971), saúde não é o oposto de doença; é vida criativa com qualidade. O desenvolvimento sustentável do país requer incluir a saúde em todas as políticas públicas, considerando suas dimensões biológica, psicológica e social para construir um ambiente facilitador à vida.

    Nessa perspectiva, deve-se trabalhar sua determinação político-social priorizando ações entre os diferentes setores e a articulação de diversas políticas, como universalização do saneamento básico, melhoria da mobilidade urbana, redução da poluição nas grandes cidades, garantia da moradia digna, educação pública de qualidade, universalização do acesso à creche e a garantia de que os alimentos consumidos não estejam contaminados por pesticidas.

    São necessárias, além disso, ações para que possamos viver em liberdade, segurança e paz. A epidemia de homicídios, acidentes de trânsito e suicídios que, em conjunto, vitimou mais de 100 mil pessoas em 2012, expõe o drama social brasileiro.

    Essa realidade, somada ao consumo de drogas e aos desafios femininos na gestação e no parto, deve ser compreendida e enfrentada como questão de saúde pública. É preciso que haja uma mudança radical nas atuais estratégias de enfrentamento, exigindo uma participação expressiva da sociedade na construção de novas soluções.

    A construção de um ambicioso projeto de educação e de informação em saúde que permita criar uma nova consciência sobre saúde pública - que envolva toda a sociedade -, centrada na promoção e na prevenção como bases de um sistema inovador, está no cerne dessa visão.

    Para isso, precisamos rever o padrão de formação de nossos médicos e demais profissionais da saúde - enfrentando a fragmentação e a hiperespecialização precoces -, os aspectos da sua distribuição no território nacional e a relação contratual com o SUS (Sistema Único de Saúde).

    O caminho mais inteligente para avançar na integralidade e na humanização da atenção deve considerar a constituição de uma rede que supere a gestão desarticulada da assistência. É necessário retomar o debate sobre a regionalização da saúde como base organizacional do SUS por meio do Programa de Saúde da Família.

    Temos um longo caminho a percorrer. É preciso compreender essa construção como um processo político-ideológico. Dele pode resultar uma consciência na qual possamos reconhecer o valor do SUS como política pública redutora de desigualdades, patrimônio do povo e expressão de conquista da cidadania.


    * Temporão é médico e pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz. Foi ministro da Saúde no governo de Luís Inácio Lula da Silva.

    Texto originalmente publicado pelo Jornal Folha de S. Paulo, edição de 15 de dezembro de 2014.

     

    Tags: saúdeSUSregionalizaçãocarreiraformaçãoeducaçãoinformaçãoTemporão.

    ESTA MATÉRIA AINDA NÃO FOI COMENTADA:

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 285 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO

    Imagem
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2024 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 568 usuários on-line - 285
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior

    O CREMESP utiliza cookies, armazenados apenas em caráter temporário, a fim de obter estatísticas para aprimorar a experiência do usuário. A navegação no site implica concordância com esse procedimento, em linha com a Política de Cookies do CREMESP. Saiba mais em nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados.