Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 18-10-2019
    Homenagem
    Cremesp cumprimenta todos os profissionais abnegados em suas carreiras que enfrentam obstáculos diários pela boa Medicina
  • 18-10-2019
    Direito médico e à saúde
    Cremesp participará de evento da OAB voltado para cuidados jurídicos com carreira médica
  • 17-10-2019
    Encontro em Goiás
    Saúde, Democracia e Direitos Humanos são temas centrais do XIII Congresso Brasileiro de Bioética
  • 15-10-2019
    Dia do Professor
    Cremesp presta sua homenagem aos professores de Medicina
  • Notícias


    19-05-2014

    Saúde do médico

    Profissionais vivem rotina estressante e estão suscetíveis a transtornos psiquiátricos, mas tendem a não procurar ajuda


    Milan, Katia, Cordeiro, Mauro Aranha e Alexandrina durante os debates
    com a plateia

     

    Sobrecarga de trabalho, privação do sono, contato com dor, sofrimento e morte, cuidados a pacientes difíceis e medo de errar são fatores estressantes aos quais os médicos estão expostos em seu cotidiano. Com os agravantes dos turnos alternados e noturnos,  remuneração insuficiente, nível de atenção exigido, constante tomada de decisão e políticas interna e externa das instituições onde atua, não é incomum o profissional ser acometido por transtornos psiquiátricos. Entre eles estão as doenças afetivas, dependência de álcool e drogas, conflitos de orientação sexual, distúrbios alimentares (anorexia e bulimia, principalmente entre as médicas), demências e/ou delirium (provocado por alcoolismo) e transtornos de personalidade. De acordo com estudo realizado pelo Cremesp e Unifesp, em 2012, também são frequentes doenças físicas, com distúrbios cardiocirculatórios (ligados ao uso excessivo de álcool, nicotina e drogas), neoplasias e doenças do aparelho respiratório. No entanto, os profissionais resistem – em média, sete anos e meio – a procurar ajuda médica antes que danos mais sérios se instalem de fato.

    Os diferentes aspectos de saúde mental do médico ao longo de sua história profissional foram abordados no II Workshop de Economia em Saúde Mental, por Kátia Burle dos Santos Guimarães, conselheira do Cremesp e coordenadora do Grupo de Apoio Psiquiátrico do Núcleo de Atendimento Psicológico e Psiquiátrico do Corpo Discente da Faculdade de Medicina de Marília (Nuadi/Famema); Luiz Roberto Milan, psiquiatra do Grupo de Assistência Psicológica ao Aluno (Grapal) da FMUSP, e Alexandrina Maria Augusto da Silva Meleiro, coordenadora da Comissão de Assistência à Saúde Mental do Médico da Associação Brasileira de Psiquiatria, com moderação de Quirino Cordeiro, professor titular de Psiquiatria da Santa Casa e membro da Câmara Técnica de Psiquiatria do Cremesp. A palestra sobre a saúde do médico foi realizada no dia 17 de maio, na subsede do Cremesp na Vila Mariana.

    Foi lembrado que os médicos não costumam identificar a condição estafante de trabalho como um problema e, ao contrário de outras categorias profissionais, não querem a limitação de horário ou carga de trabalho. “Temos que sensibilizar os médicos sobre seu presenteísmo (presença física, mas com produtividade baixa), que muitas vezes ocasiona atritos com pacientes por esgotamento. O profissional nessa situação tem reduzida a sua disponibilidade cognitiva e afetiva para acolher o paciente”, comentou Mauro Aranha, psiquiatra e vice-presidente do Cremesp e organizador do workshop, ao lado de Denise Razzouk, Centro de Economia em Saúde Mental da Unifesp. Ele lembrou que o Cremesp mantém um convênio com a Unifesp para o tratamento de médicos dependentes químicos e com transtornos mentais, além da disponibilização do serviço de assistência social ao médico com processos em curso no Cremesp.

    Estresse do estudante
    Durante sua apresentação, Kátia falou da importância de um espaço para o atendimento do estudante de Medicina, demonstrando que os índices de estresse são maiores nesse público que em alunos de outras áreas. Relatou o trabalho realizado por ela no Nuadi/Famema, em que há atendimentos psicológico e psiquiátrico e de emergência, encaminhamento para psicoterapia e orientação aos alunos, familiares e docentes. Pesquisa realizada pela Famema, em 2003, apontava que 60,10% das alunas tinham estresse, número que caia para 41,06% entre os estudantes do sexo masculino. Em 63,71% dos casos, havia predominância de sintomas psíquicos (mais intensos a partir do 5º ano) e em 24,05%, físicos. “A pesquisa foi feita localmente, mas a literatura aponta que este é um fenômeno global. Registramos também que em 90% dos casos, os alunos não haviam adoecido ainda, o que demonstra que temos que intervir antes para evitar danos maiores”, afirma Kátia.

    Ansiedade nos residentes
    Em sua palestra sobre saúde mental dos médicos residentes, Milan comentou que eles vivem um estresse profissional (atendimentos difíceis, atuar com enorme gama de conhecimentos, medo de errar), situacional (privação do sono, dramas familiares e amorosos) e pessoal (saúde e comportamento). As mulheres tendem a procurar ajuda com mais facilidade motivadas pela angústia da jornada como médica X vida pessoal e social, muitas vezes adiando a maternidade.

    Ele informou também que embora haja tentativas, existem poucas mortes por suicídio entre residentes. Já as drogas estão presentes principalmente entre os que escolhem a especialidade de Psiquiatria (opiáceos e maconha) e nos serviços de emergência (cocaína e maconha). Quadros ansiosos são mais frequentes diante de situações de atendimento de urgência a paradas cardíacas, pacientes terminais, apresentação de caso na visita e pela competição entre residentes. Os transtornos de humor acometem mais gravemente as jovens médicas. Enquanto a procura por ajuda é mais comum entre os primeiranistas, esse índice tende a cair ao longo da Residência.

    Profissão acima de tudo
    Por sua vez, os médicos formados tendem a colocar a profissão acima de tudo, priorizando o trabalho em detrimento da família, num ritmo quase sobre-humano. Como o objetivo é a carreira, postergam planos pessoais e não se preocupam com o futuro, muitas vezes mantendo casamentos insatifatórios, mas estáveis. “Os médicos são ambiciosos, ativos, competitivos, exigentes e, por isso, tendem a se frustrar, gerando hipocondria, ansiedade, depressão, somatização e, em casos extremos, cometem suicídio. Nossa classe deve ser mais sensível às dificuldades de reconhecer o próprio pedido de ajuda ou de seu colega, sem deixar de zelar pelos interesses do público”, disse Alexandrina.


    Texto e foto: Nara Damante


    Veja também:

    Psiquiatria
    Unifesp e Cremesp debatem impacto e inclusão de pessoas com transtornos mentais e dependência de drogas

     

     

    Tags: psiquiatriatranstorno mentalmédicossuicídioestressetrabalhoansiedadeworkshop.

    ESTA MATÉRIA AINDA NÃO FOI COMENTADA:

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 57 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


    ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 235 usuários on-line - 57
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior