Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 15-07-2024
    Conversa com Cremesp
    Cremesp realiza encontro com estudantes da Santa Casa de São Paulo e debate questões éticas da Medicina
  • 14-07-2024
    Julho verde
    Cremesp ilumina fachada da sede pelos 10 anos da campanha de prevenção ao câncer de cabeça e pescoço
  • 09-07-2024
    MEETING TRIBUTÁRIO MÉDICO
    Evento inédito discutirá incentivos fiscais e Reforma Tributária para médicos
  • 05-07-2024
    PMMA Defesa do Ato Médico
    Cremesp notifica Anvisa e pede suspensão cautelar imediata de comercialização, venda e distribuição de produtos com PMMA
  • Notícias


    18-11-2013

    Gestão do SUS

    Reveja entrevista com Gastão Wagner de Sousa Campos sobre subfinanciamento do setor, concedida ao Jornal do Cremesp

    "A Gestão do SUS não pode continuar a depender, principalmente, dos prefeitos e dos municípios”

     

    O Programa Mais Médicos foi lançado em julho pelo governo federal, com a intenção de suprir a carência de médicos nas periferias dos grandes centros urbanos e em regiões longínquas e de difícil acesso. A medida provocou polêmica na classe médica, principalmente devido à vinda de estrangeiros –incluindo 4 mil cubanos – sem a devida revalidação de diploma e submetidos a condições ilegais e precárias de trabalho. Esse contingente de profissionais deve permanecer, no mínimo, três anos na região para a qual foi designado, entre as 701 cidades que não despertaram interesse de nenhum brasileiro na primeira fase do programa. Para discutir o alcance dessas medidas e suas consequências para a assistência à população, o Jornal do Cremesp ouviu Gastão Wagner de Sousa Campos, professor titular de Saúde Coletiva da FCM/Unicamp.

     

    A pesquisa Demografia Médica no Brasil, do Cre­mesp e CFM, demonstrou que a má distribuição de médicos causa desassis­tência em muitos pequenos municípios, nas periferias dos grandes centros e em vários serviços do SUS. O Programa Mais Médicos conseguirá suprir essa carência?
    De imediato, e em alguma medida, sim. É evidente que em médio e longo prazos, não. A má distribuição de médicos não é somente territorial. É igualmente grave o dado, nessa pesquisa, de que há 1,9 posto de trabalho médico para cada mil usuários do SUS (75% da população brasileira) e 7,8 por mil para os 25% que possuem seguro saúde ou recursos pró­prios­ para custear atenção médica. Essa situação reflete o descaso, o descuido e a ausência de uma política de recursos humanos para o SUS.


    A MP 621/2013 diz que os participantes serão considerados médicos-estudantes e não poderão assumir, sozinhos, a responsabilidade pelos aten­dimentos, sendo necessária a presença do tutor ou preceptor brasileiro. Essas regras são viáveis na prática?
    Sim, são possíveis se forem realmente imple­men­tadas e se houver recursos adicionais e gestão competente. Medidas semelhantes serão necessárias para os dois anos de residência obrigatória na atenção primária, caso seja aprovada a proposta do governo.


    Como avalia a vinda de médicos estrangeiros sem a devida revalidação de diplomas, como propõe o governo federal?
    Como regra geral, sou a favor do Revalida. Acredito que deverá ser aperfeiçoado e desburocratizado. Defendo que essa prova de proficiência seja cogerida entre universidades, Ministérios da Educação e da Saúde e representantes de entidades médicas. Em situações de emergência, autoridades podem convocar profissionais estrangeiros. Os cubanos têm boa formação em atenção primária: sabem sobre clínica geral e medidas de prevenção e promoção à saúde. O tipo de supervisão que necessitarão não será, portanto, o mesmo da Residência. Há 14 anos, a região de Campinas recebeu cinco médicos cubanos para nos apoiar na construção da estratégia de saúde da família e não houve nenhum problema. Depois do período de três anos, quatro retornaram e um permaneceu no Brasil.


    O Programa prevê mais 11 mil vagas em graduação e de 12 mil em Residência. Como avalia essa proposta, uma vez que enfrentamos problemas na formação dos alunos e carência de docentes em Medicina?
    A carência de docentes se resolverá com concursos públicos para as universidades federais e estaduais. Há fila de profissionais interessados na carreira docente. Em algumas especialidades haverá problemas, como já acontece. Nesses casos, em geral especialidades que valorizam mais a prática médica no mercado, a solução serão os contratos em tempo parcial. Na realidade, não precisamos formar mais de 10 mil médicos por ano. Ao cruzar dados do crescimento popula­cional e dos novos serviços no SUS e no setor privado com vagas nos cursos médico, constata-se a necessidade de apenas mais 2 mil a 3 mil ao ano. Já as 12 mil novas vagas para residentes serão bem-vindas, particularmente naquelas especialidades que o setor privado quase eliminou: Medicina Interna, Pediatria Geral, Cirurgia Geral e Saúde da Família; e naquelas em que houve controle corporativo e omissão do MEC e do MS de vagas para a Residência: Anestesia e Psiquiatria, entre outras.


    O SUS está subfinan­ciado (o governo destina apenas 3,6% do PIB) e não conta com Plano de Carreira de Estado. Até que ponto a falta de médicos é responsável pela situação do sistema?
    Os problemas do SUS são amplos e interconectados. O subfinanciamento impede política e gestão de pessoal adequadas e quem sofre, além dos profissionais, são os usuários. Brasileiros continuam morrendo por causas evitáveis. Por outro lado, há problemas para contratação de pessoal, inclusive com os médicos.


    A imprensa identificou cidades que pretendem fazer demissões para receber as equipes do governo federal. Essa substituição significa economia pela prefeitura – já que a bolsa de R$ 10 mil do Mais Médicos é totalmente cus­t­e­ada pela União – e o fim da alta rotatividade.Em que medida essa distorção pode prejudicar o Mais Médicos?
    A gestão do SUS não pode continuar a depender, prin­ci­palmente, dos prefeitos e dos municípios. Há que se cobrar maior envolvi­men­to da União e dos Estados. Eu defendo a criação de uma carreira no SUS como um todo; não uma federal, 27 estaduais e milhares municipais. Isto nunca irá acontecer. A carreira no SUS deve criar responsabilidade e financiamento federal, estadual e municipal. Os profissionais seriam do SUS. Os concursos, feitos por Estado da federação, trariam cargos com possibilidade de rema­nejamento e de promoção, cursos para completar formação e possibilidade de trabalho na atenção básica, dar plantões, assistir em enfermarias etc.




    Entrevista concedida ao Jornal do Cremesp, edição 307 - setembro 2013.

     

     

    Tags: sistema único de saúdesubfinanciamentoentrevistaJornal do CremespGastão SousaMais Médicosgestão.

    ESTA MATÉRIA AINDA NÃO FOI COMENTADA:

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 332 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO

    Imagem
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2024 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 762 usuários on-line - 332
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior

    O CREMESP utiliza cookies, armazenados apenas em caráter temporário, a fim de obter estatísticas para aprimorar a experiência do usuário. A navegação no site implica concordância com esse procedimento, em linha com a Política de Cookies do CREMESP. Saiba mais em nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados.