PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (JC pág. 2)
Os salários aviltantes dos médicos no serviço público prejudicam o profissional e a população


ENTREVISTA (JC pág. 3)
O tema desta edição é Telemedicina e o entrevistado Chao Lung Wen


ATIVIDADES 1 (JC pág. 4)
Oficializado pedido do Cremesp para regulamentação de lei sobre internação psiquiátrica


ATIVIDADES 2 (JC pág. 5)
Legislação básica em saúde pode ser acessada on line ou recebida via e-mail


RESOLUÇÕES (JC pág. 6)
Anvisa publica resolução normatizando prescrição e comercialização de anorexígenos


ESPECIAL (JC págs.7/8/9)
Em matéria especial, Cremesp mostra a complicada situação salarial dos médicos que atuam no serviço público


SAÚDE (JC pág. 10)
Acompanhe as orientações da Secretaria da Saúde, aos médicos, sobre casos suspeitos de febre amarela


GERAL 1 (JC pág. 11)
Vida de Médico: nova seção inaugurada nesta edição, mostra a vida simples de um médico do interior


LABORATÓRIOS (JC pág. 12)
Medicina x Indústria Farmacêutica, na visão de Gilbert Welch, Lisa Schwartz e Steven Woloshin


GERAL 2 (JC pág. 13)
Acompanhe a Coluna dos Conselheiros do CFM, com Clóvis Constantino e Isac Jorge


ALERTA ÉTICO (JC pág. 14)
O tema da vez deste canal é Falta de recursos financeiros do paciente


GERAL 3 (JC pág. 15)
Blog aborda dependência química e o uso de substâncias psicoativas


HISTÓRIA
Sta Casa de Votuporanga: história de empenho, parcerias e realizações ao longo de 25 anos


GALERIA DE FOTOS



Edição 245 - 02/2008

GERAL 1 (JC pág. 11)

Vida de Médico: nova seção inaugurada nesta edição, mostra a vida simples de um médico do interior


VIDA DE MÉDICO

Muita atividade numa cidade pacata


Há 38 anos em Novo Horizonte, Eidmar Eid pratica uma medicina de dedicação e renovação constantes

Sob o título Vida de Médico, o Jornal de Cremesp inaugura nesta edição uma série de matérias especiais sobre a história de profissionais que exercem a medicina em situações que podem ser consideradas comuns e simples. Mas, cada história tem sua singularidade, e o exercicio da Medicina fora de grandes centros ou hospitais de alta complexidade está longe de ser corriqueiro.   

É o caso do médico Eidmar Eid, 67 anos, de Novo Horizonte, Interior do Estado. Pediatra, posteriomente especializou-se em Medicina do Trabalho e de Tráfego. Incapaz de ficar parado e para “não desperdiçar o tempo livre”, à noite dedica-se à gastronomia em um restaurante que tem em sociedade com um amigo. Embora seja muito dinâmico, sempre quis trabalhar numa cidade pequena e pacata. 

Ao iniciar o curso de Medicina, em 1965, na Universidade Federal do Paraná, já pretendia voltar para sua cidade natal, Novo Horizonte, e servir a sua população. Em 1969, depois da residência médica no Hospital Menino Jesus, em São Paulo, o desejo se realizou. Era um tempo em que médicos visitavam pacientes em casa e clinicavam em todas as áreas. Novo Horizonte tinha três médicos. Dois eram cirurgiões, e um, obstetra. Não cabia mais um cirurgião ali. O ideal de ser útil à sua gente levou-o a abandonar o projeto de se especializar em cirurgia geral e sensibilizou-o para o atendimento às crianças. “Então, mudei para pediatria”, diz.

Com sua chegada, o grupo de quatro médicos atendia uma população de 25 mil pessoas em um hospital com 28 leitos, um laboratório e uma máquina de raio-x. A proporção era de 6.250 habitantes por médico. Se houvesse necessidade de assistência fora de Novo Horizonte, apenas Ribeirão Preto e São Paulo ofereciam alternativas.

Como era possível atender bem? Fazendo o que ele chama de medicina resolutiva. “O problema tinha de ser resolvido. Não havia para quem encaminhar, as estradas eram ruins e éramos responsáveis pelos pacientes”. Apesar das dificuldades, até 1974, quando começaram a chegar mais médicos à cidade, Eidmar trabalhou “com as mãos e a cabeça”, como ele mesmo define. “As mãos eram como aparelhos para buscar a doença. A gente resolvia o problema, resolvendo. Minha formação, claro, foi crucial para que eu conseguisse fazer diagnósticos e conduzir casos com sucesso”, diz.

Dedicação em tempo integral
A dedicação de Eidmar à Medicina sempre foi em tempo integral. Aplica o que aprendeu, com o respaldo de tantos anos de experiência. No consultório, nada de branco: paredes em tom pastel, e o médico sem jaleco. “É para não assustar as crianças. Tudo branco lembra hospital, e elas não gostam disso”, explica. Crianças, que, aliás, são suas pacientes até hoje. “Cuidei delas e hoje elas trazem seus filhos para eu cuidar.”

Eid sempre dividiu o tempo entre o consultório e o hospital. A partir de 1999 encarou outros desafios. Especializou-se em Medicina do Trabalho e em Medicina de Tráfego; e fez pós-graduação em Saúde Pública. Atualmente, como médico do trabalho, atende a 10 empresas, além das crianças em seu consultório. Mas isso não é tudo, ele ainda é diretor técnico do Centro de Saúde da cidade. E não cansa? “Não. Meu trabalho é minha realização. E posso afirmar que me realizei plenamente”.  E o que a Medicina significa para Eidmar Eid? “Tudo. Acredito que em todos estes anos fui um instrumento. Tudo o que vivi e o que pude ver na medicina me faz acreditar que fui usado para o bem. E essa é a minha rea¬lização plena”, afirma.

E depois de um dia cheio de realizações como médico, ainda vai dar seu expediente gastronômico no restaurante, “porque não gosta de ficar parado”.

Eventos do Cremesp

MEDICINA LEGAL
Encontro acontece em abril

A Identificação Humana em Catástrofes será tema do encontro que o Cremesp realizará no dia 12 de abril de 2008, na Superintendência da Polícia Técnico-Científica, na Rua Moncorvo Filho, 410 – Butantã – São Paulo. O evento conta com o apoio do Instituto Médico Legal do Estado de São Paulo, da Associação dos Médicos Legistas do Estado de São Paulo e da Superintendência da Polícia Técnico-Científica. Os interessados poderão realizar inscrições prévias via Internet até 24/03/2008, pelo e-mail: eventos@cremesp.org.br, ou pelo telefone: (11) 3123-8704.

Julgamento simulado, cursos e debate

Aconteceu no Hospital Universitário de São Bernardo do Campo, dia 18 de janeiro, o Julgamento Simulado com a participação do diretor jurídico do Cremesp e conselheiro Desiré Carlos Callegari. Em sua avaliação, “esse julgamento é, para os médicos, uma maneira de prevenir a denúncia e o erro médico”.

No último dia 19, a Delegacia Regional Leste do Conselho realizou o curso de capacitação da Comissão de Ética Médica (CEM) do Hospital Vila Alpina, com a participação dos delegados Temístocles Pie de Lima, Márcia Costa e Luiz Fernando Djabraian. Já no dia 28, em Barretos, o curso de capacitação aconteceu no Posto de Saúde Alcides Facundo Arroyo, com participação do delegado Carlos Marcelo Borges Santiago.

Debate Bioético
Nos dias 25 e 26 e janeiro, a Delegacia Regional de Ribeirão Preto organizou um debate, com a coordenação do conselheiro Isac Jorge Filho, sob o tema “Transfusão em testemunhas de jeová: dilema bioético”.  A platéia foi composta por médicos, enfermeiros, dentistas, advogados e um relevante número de “Testemunhas de Jeová”. “Os debates foram amplos, com absoluto respeito à autonomia”, afirmou Isac Jorge.

CLUBE DO FÍGADO
Reuniões mensais, na sede do Cremesp, farão parte do Programa de Educação Médica Continuada

As reuniões do Clube do Fígado –  coordenadas pelos setores de hepatologia e cirurgia do fígado da Unifesp, USP e Santa Casa – passarão a ser realizadas na sede do Cremesp e serão abertas  a todos os médicos interessados em hepatologia e cirurgia do fígado do Estado de São Paulo, passando a integrar o Programa de Educação Médica Continuada do Conselho.

Esses encontros destinam-se a atualizar e reciclar nessa área os colegas interessados, e consistem na discussão de casos clínicos, com a participação de especialistas em hepatologia clínica, cirurgia do fígado, radiologistas e anatomopato¬logistas das principais escolas médicas do Estado de São Paulo, permitindo a troca de experiência e informação entre os colegas e a melhoria da formação médica e da qualidade da assistência prestada à população.

A próxima reunião – que acontece sempre na primeira terça-feira do mês – será realizada no dia 4 de março, das 10 às 12 horas.

Local: Auditório da Sede - Rua da Consolação, 753 – Centro – São Paulo - SP. Inscrições gratuitas pelos telefones (11) 3123-8704 / 3017-9345 ou e-mail: eventos@cremesp.org.br
Vagas limitadas.



Este conteúdo teve 1401 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

Delegacia da Vila Mariana:
Rua Domingos de Moraes, 2187 - cj. 223 - Edifício Xangai
Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP 04035-000

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 289 usuários on-line - 1401
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior