PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL
O merecido reconhecimento público - Isac Jorge Filho


ENTREVISTA
Elival da Silva Ramos - professor associado da Faculdade de Direito da USP


ENSINO MÉDICO
Folha de São Paulo: Exame para Médicos


MOVIMENTO MÉDICO 2
Nova diretoria do Sindicato dos Médicos de São Paulo


MOVIMENTO MÉDICO 1
Projeto que institui a CBHPM em tramitação na Assembléia


GERAL 1
Desiré C. Callegari em Opinião do Conselheiro


CONSULTA PÚBLICA
Diretrizes para Plano de Carreira, Cargos e Salários no âmbito do SUS


BIOÉTICA
Novos Bolsistas para projetos de pesquisa em Ética Médica


ATUALIZAÇÃO
Programa de Educação Continuada do Cremesp: sucesso total!


GERAL 2
Acompanhe as notícias do interior: Ribeirão, Marília e Franca


AGENDA
As atividades da Diretoria e dos Conselheiros no mês de junho


ALERTA ÉTICO
Desvio de paciente do SUS para consultório particular


TOME NOTA
Cremesp é contra PL que proíbe a psicocirurgia


HOMENAGEM
Azarias de Andrade Carvalho, um dos mais importantes pediatras brasileiros


GALERIA DE FOTOS



Edição 214 - 06/2005

EDITORIAL

O merecido reconhecimento público - Isac Jorge Filho


O merecido reconhecimento público

Isac Jorge Filho*


Durante a IX Conferência dos Advogados, realizada no Rio de Janeiro, a Diretora Executiva do Ibope Opinião, Márcia Cavallari, divulgou os dados de um estudo realizado em maio de 2005 para avaliar a confiabilidade do brasileiro nas instituições do país. Entre as dezessete instituições avaliadas, a confiança nos médicos ficou claramente em primeiro lugar, com 85% de respostas positivas.

Em segundo lugar vieram as Forças Armadas, com 75%. Os partidos políticos receberam manifestação de confiança de 12% e os políticos de 11% dos entrevistados.

Os médicos brasileiros têm razões de sobra para comemorar esse reconhecimento. É que ele é dado a uma categoria que luta bravamente para exercer com dignidade suas funções, freqüentemente enfrentando as mais adversas condições de trabalho.

Na verdade, o típico médico brasileiro vive situação absolutamente contraditória, tendo que conviver com a Medicina de ponta da modernidade, com transplantes, video-cirurgias, “bebês de proveta” e, ao mesmo tempo, assistir pacientes com as doenças da pobreza, praticamente banidas do mundo moderno, incluindo parasitoses intestinais, esquistossomose, doença de Chagas e desnutrições, frutos de nossa vergonhosa desigualdade social e falta de medidas sanitárias. É esse médico que enfrenta o trabalho em hospitais e ambulatórios onde faltam coisas básicas e onde freqüentemente chega a ser agredido, pois as condições de segurança, principalmente na periferia das grandes cidades, são precárias. É ele também que atende planos de saúde que praticamente não lhe deram aumentos nos últimos dez anos e que se submete aos chamados “plantões de demanda” não remunerados nos hospitais do Interior e mesmo das capitais.

Esse médico se ressente da falta de um Plano de Carreira, Cargos e Salários há anos e anos, que ao constatar, finalmente, a proposta de um PCCS se surpreende  ao ver que o mesmo faz desaparecer a categoria médica. Como se fosse possível fazer medicina sem médicos. No Plano proposto, matéria deste número de nosso jornal,  os médicos estão colocados em uma categoria denominada “Especialistas em Saúde”. Aí se juntam profissionais cuja formação demanda três a cinco anos com médicos que se formam em oito a dez anos. Não há nada mais injusto que julgar como iguais coisas diferentes.

E estamos falando em diferentes e não em melhores, já que nós, médicos, não nos consideramos melhores que ninguém. Em uma equipe de saúde, e hoje não se pode trabalhar senão em equipe, todos são igualmente importantes, desde os funcionários da limpeza até o chefe do grupo. No entanto, não se pode deixar de considerar que tempo de formação, complexidade do trabalho realizado e grau de responsabilidade são distintos nas diferentes categorias.

Retomando o raciocínio inicial, ficamos felizes com os 85% de satisfação que a pesquisa feita pelo Ibope Opinião revelou. O resultado mostra o claro reconhecimento a uma categoria em que a maioria dos profissionais, mesmo em condições adversas de trabalho, age com ética e competência.

Imaginem como seria se as condições fossem aquelas pelas quais lutamos!

* Isac Jorge Filho é presidente do Cremesp


Este conteúdo teve 1104 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

Delegacia da Vila Mariana:
Rua Domingos de Moraes, 2187 - cj. 223 - Edifício Xangai
Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP 04035-000

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 265 usuários on-line - 1104
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior