PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL
Isac Jorge Filho


CONSELHO
Programa de Educação Continuada do Cremesp


NACIONAL
Novas Diretrizes Médicas


ENSINO MÉDICO
Exame de Habilitação para recém-formados


MOVIMENTO MÉDICO
Opinião de Conselheiro


MOVIMENTO MÉDICO
Honorários Médicos


ESPECIAL
A visita de Humberto Costa ao Conselho


ATUALIZAÇÃO
Orientações sobre prescrições de COX-1 e COX-2


GERAL
Destaques: Atlas da saúde de São Paulo e RX da saúde no Brasil


AGENDA
Destaques: Disque-Psiquiatria e Biblioteca dr. Paul Janssen


AGENDA
Conselheiros são eleitos presidentes de sociedades de especialidade


NOTAS
Alerta Ético para a adulteração de informações médicas


PARECER
Quebra de sigilo


HISTÓRIA
Diltor Opromolla


GALERIA DE FOTOS



Edição 213 - 05/2005

GERAL

Destaques: Atlas da saúde de São Paulo e RX da saúde no Brasil


IBGE faz raio X da saúde no Brasil

  
Divulgado em 25 de maio de 2005, o Suplemento de Saúde da PNAD - Pesquisa Nacional de Amostras de Domicílios de 2003, do IBGE, que visitou mais de 133 mil domicílios e entrevistou 384,8 mil pessoas, revelou que diabetes, hipertensão, câncer, problemas de coluna e reumatismo estão entre as doenças crônicas que acometeram 52,6 milhões de brasileiros ( 30% da população) em 2003. Cerca de 9,7 milhões de pessoas apresentavam três ou mais doenças crônicas.

De acordo com a pesquisa, os brasileiros avaliam bem seu estado de saúde – 78,6% o consideravam muito bom e bom. Foi constatado, ainda, que 62,8% da população havia consultado um médico nos 12 meses anteriores, embora 15,9% nunca tivesse ido ao dentista.

A PNAD Saúde também investigou a realização, pelas mulheres, de três exames preventivos (clínico de mamas, câncer de colo de útero e mamografia) e constatou que 34,4% das brasileiras com mais de 40 anos nunca haviam se submetido a um exame clínico de mamas.

A pesquisa revelou que 25,7 milhões de pessoas, ou 14,6% da população, buscou atendimento de saúde nos 15 dias anteriores à pesquisa. Dessas, 13,1 milhões foram por doença e 7,2 milhões para vacinação e outros atendimentos preventivos. Mais da metade (57,2%) dos atendimentos foi pelo SUS, e 26% deles com participação parcial ou integral de planos de saúde. De acordo com a pesquisa, 43,2 milhões de brasileiros são associados a algum plano de saúde.

Dentre os brasileiros que conseguem acesso aos serviços de saúde, 86% dos atendimentos foram avaliados como muito bom ou bom. Entre os que buscaram atendimento e não conseguiram, os principais motivos indicados foram: indisponibilidade de senha ou de vagas (48,9%) e falta de médicos (25,5%).

Dentro de um universo de 5 milhões de pessoas que tiveram necessidade mas não procuraram os serviços de saúde, 23,8% não o fizeram por falta de dinheiro; 18,1% por julgarem o atendimento muito demorado; 12,7% pela distância ou dificuldade de acesso e 12,7% por incompatibilidade de horário.

Chama a atenção que ainda é grande a parcela de brasileiros que nunca foi ao dentista: 27,9 milhões de pessoas. A PNAD estimou que 62,8% da população consultaram um médico nos 12 meses anteriores à pesquisa.

São Paulo tem atlas da saúde

Levantamento realizado pela Prefeitura mostrou a prevalência de mortes por infarto e um cinturão de obesidade na periferia

O estudo, batizado de Atlas da Saúde, cruzou informações como incidência de doenças crônicas e densidade populacional. Financiado pelo Instituto de Responsabilidade Social do Hospital Albert Einstein, seu principal objetivo, segundo o ex-secretário municipal de Saúde, Cláudio Luiz Lottenberg, foi delinear um “plano diretor” para ações estratégicas na rede pública.

O levantamento mostra que, seguindo uma tendência nacional, as principais causas de morte no Município estão associadas a doenças cardiovasculares (30,5%), a algum tipo de câncer (18,8%) e a causas externas como assassinatos e atropelamentos (12,5%).

Embora o crescimento no número de obesos entre a população mais pobre já tivesse sido registrado no ano passado por um levantamento feito pelo IBGE, confirmou-se a existência de um cinturão de obesidade nas regiões mais pobres da periferia, justamente onde se concentra o maior número de mortes por doenças do coração, principalmente entre pessoas na faixa dos 44 aos 59 anos. Contudo, a incidência de doenças cardiovasculares em pessoas com mais de 60 anos passa a se concentrar na região central. Esses fatos direcionarão a Prefeitura para ações de tratamento nessas áreas, estabelecendo focos para programas específicos da rede pública.

“Constatamos que os centros de hemodinâmica, que realizam o tratamento de doenças cardíacas, não estão nas regiões onde a população tem maior potencial de risco”, explicou Lottenberg. E acrescenta: “o estudo faz esse cruzamento de quais doenças prevalecem em cada área e quais os recursos públicos disponíveis. A idéia é que, a partir desse mapeamento, possamos trabalhar de forma inteligente.”

Cláudio Lottenberg deixou a Secretaria Municipal de Saúde no dia 18 de maio de 2005. Em seu lugar assumiu a médica pediatra Maria Cristina Cury.

Autorizada a venda fracionada de medicamentos

Foi publicada, no dia 20 de maio, no Diário Oficial, a Resolução RDC 135/05 da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que define as regras para o fracionamento de medicamentos. Com isso, as farmácias e os laboratórios farmacêuticos interessados na venda fracionada já podem solicitar a autorização para esse tipo de serviço. Somente os estabelecimentos com licença de farmácia poderão exercer essa prática, vedada às drogarias.

De acordo com a Anvisa, para obter a autorização para o fracionamento “o estabelecimento deverá ter um ambiente exclusivo para a divisão dos medicamentos. Neste local as bancadas deverão ser revestidas de material liso e de fácil limpeza, não poderá haver comunicação direta com lavatórios e sanitários. O farmacêutico deverá ser identificado de forma distinta dos demais funcionários. Além disso, o consumidor deve ter condições de acompanhar o processo pelo lado de fora da sala.”

A regulamentação prevê ainda que o fracionamento deverá ser feito no estabelecimento onde o consumidor entregar a receita; o farmacêutico deve estar identificado e não pode delegar a outra pessoa a tarefa de fracionar; as embalagens destinadas ao fracionamento deverão ser identificadas e separadas dos medicamentos comuns; o fracionamento será feito obrigatoriamente na quantidade prescrita pelo médico.

Brasil rejeita recursos para o combate à Aids

O editorial da revista médica inglesa The Lancet classificou como “corajosa e inteligente” a decisão do governo brasileiro de rejeitar os recursos da Agência Americana para Desenvolvimento Internacional (Usaid).

“Recusar um financiamento de 40 milhões de dólares, doados para auxiliar na batalha contra o HIV e a Aids, pode ser considerada uma atitude pouco inteligente e até deplorável. Mas, a recente decisão brasileira de rejeitar o restante dos 48 milhões do financiamento da Usaid sugere ousadia e tambem discernimento”, afirmou o periódico.

O financiamento da Usaid continha uma cláusula, estabelecendo que o Programa de Aids brasileiro, uma iniciativa governamental, não poderia mencionar os direitos das prostitutas nos pedidos para financiamento. Entretanto, uma das razões pelas quais o Programa de Aids brasileiro tem sido bem sucedido, é justamente por trabalhar de perto com as associações de prostitutas, para que se possa atingir um dos grupos com maior risco de desenvolver Aids”.


Este conteúdo teve 1190 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

Delegacia da Vila Mariana:
Rua Domingos de Moraes, 2187 - cj. 223 - Edifício Xangai
Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP 04035-000

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 238 usuários on-line - 1190
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior