PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL
Pesquisa sobre os planos de saúde
Além do destaque especial para os resultados da avaliação dos planos de saúde, esta edição aborda temas polêmicos como reprodução assistida e clonagem.


CONSELHO
Novos serviços
Confira os novos serviços oferecidos aos médicos e como está se saindo a Rede Estadual de Apoio a Médicos Dependentes Químicos


ENTREVISTA
“Conselhos devem aliar exercício profissional à promoção da cidadania”
Mário Saad, atual representante no CFM de São Paulo e diretor da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, é nosso convidado especial deste mês.


ARTIGOS 1
“É preciso eleger deputados
comprometidos com a saúde”
Eleuses Paiva, presidente da AMB, e o movimento médico no processo político deste ano. Engajar-se é fundamental para a obtenção de vitórias na saúde do país.


ARTIGOS 2
“Nosso voto é a melhor arma para a mudança”
Erivaldo Guimarães, presidente do Simesp, lembra, em ano eleitoral, a importância de escolher candidatos que tenham, essencialmente, compromisso com o social.


ENTIDADES
Congresso de Política Médica
e Piores Planos de Saúde

Eleição 2002 e Pesquisa Datafolha: Congresso de Política Médica e a divulgação dos piores planos de saúde do país.


ESPECIAL
Os dilemas da reprodução assistida e da clonagem
O enfoque especial deste mês é imperdível: mesas redondas com temas-âncoras como o destino dos pré-embriões e a clonagem humana. Marco Segre e Enidio Ilário coordenaram os debates.


VIGILÂNCIA  SANITÁRIA
Cremesp é contra cobrança de taxa para vistoria em consultórios.
Veja por quê o Cremesp é contra a cobrança de mais esta taxa.


PARECER
“Exigência de farmacêutico para guarda de dispensário de medicamentos é ilegal”
Exigência não conta com amparo legal. Veja análise da legislação que fundamenta o parecer do Cremesp.


GERAL 1
De olho no site!
Novidades no site do Cremesp, Hospitalar 2002, Dia Mundial sem Tabaco e campanha de prevenção contra a Aids: acesse e informe-se!


AGENDA
Delegacia de S. José dos Campos tem nova sede. As participações e atividades do Cremesp durante o mês de junho você pode conferir aqui.


NOTAS
Lideranças Médicas em Votuporanga.
Oportunidades de Trabalho e a Copa Mundial de Futebol para Equipes Médicas em Barcelona são, também, destaques dessa seção.


GERAL 2
Em outubro, Brasil será o centro mundial da Bioética
Informe-se sobre o Congresso Mundial de Bioética e outras notícias, como a obrigatoriedade da implantação de bancos de leite humano na cidade de São Paulo.


ENSINO
Estudantes apresentam pesquisas em Ética Médica.
O projeto, coordenado por Reinaldo Ayer, reúne um total de 19 trabalhos de pesquisa na área de Ética Médica. Confira autores, resumos e orientadores de cada um deles.


GALERIA DE FOTOS



Edição 178 - 06/2002

ENTREVISTA

“Conselhos devem aliar exercício profissional à promoção da cidadania”
Mário Saad, atual representante no CFM de São Paulo e diretor da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, é nosso convidado especial deste mês.


“Conselhos devem aliar exercício profissional à promoção da cidadania”

Mário Saad é o atual representante de São Paulo no Conselho Federal de Medicina, suplente de Regina Parizi, licenciada para candidatar-se à deputada estadual nas eleições de 2002. Professor livre-docente do Departamento de Clínica Médica e Diretor da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, Saad falou ao Jormal do Cremesp sobre o papel dos Conselhos, as reformas no ensino médico, o exercício profissional e os compromissos dos governantes.

Jornal do Cremesp - Qual é o papel dos Conselhos de Medicina atualmente?

Mário Saad - Os Conselhos Federal e Regionais têm hoje um papel essencial tanto na garantia do exercício profissional, quanto na promoção da cidadania. Na última década, os Conselhos se transformaram, dedicando-se não só a valorizar dignamente o médico, a preservar a ética e a qualidade da Medicina, mas também souberam estar ao lado da sociedade, participando e intervindo em defesa da saúde, de melhores condições de vida e da democracia. Os Conselhos também avançaram na competência legal de fiscalizar o exercício profissional e a prática da Ética Médica. Nesse sentido, ainda existe certa incompreensão da sociedade, pois as pessoas querem que a justiça seja feita imediatamente, diante de eventual erro, situação danosa ou infração ética do médico. Preservar o estado de direito, assegurar que os médicos tenham chance de defesa e, ao mesmo tempo, agir com seriedade e responsabilidade para garantir a justiça e o bem estar da população é o grande papel que os Conselhos têm conseguido desempenhar.

JC - O que fazer para superar as dificuldades impostas ao exercício profissional do médico?

Saad - O ideal que buscamos é que os médicos tenham uma remuneração digna, condições adequadas de trabalho e capacitação permanente. Assegurado isso, a dedicação exclusiva, o trabalho em um único local, seria o melhor para o profissional e para quem recebe a assistência. Por um lado temos o SUS, um sistema excelente nos princípios e na forma de organização, mas com financiamento insuficiente, o que tem gerado insatisfação dos usuários e dificuldade de adesão dos médicos, pessimamente remunerados. Mas nos municípios onde há responsabilidade e visão social dos gestores, investimento de recursos e controle social, o SUS está dando certo, sinal de que é um projeto viável. As prefeituras comprometidas com o SUS dão hoje as melhores chances de trabalho para o médico recém-formado em nosso Estado. Quanto aos planos privados de saúde, a prática de baixos honorários, as interferências na autonomia do médico e as restrições de atendimento ao paciente revelam um setor que não encara a saúde como um bem maior, mas como um negócio. Garantir o acesso de todos a um sistema de saúde mais justo e de qualidade deve ser nossa meta.

JC - Como o senhor vê a reforma do ensino médico no Estado?

Saad - As deficiências no ensino médico, a abertura de cursos sem critérios e o grande número de vagas nas escolas médicas são problemas que precisamos enfrentar, com regulamentação adequada e ações firmes. Temos percebido avanços nos últimos anos, com mudanças curriculares positivas. Devemos seguir o que ocorreu na maioria das boas universidades do mundo, onde as mudanças foram baseadas na integração das áreas básicas e aplicadas, e na formação humanista do médico. Além disso, o aluno não pode ser formado apenas em hospitais terciários ou quaternários; ele precisa conhecer o sistema de saúde, aprender a trabalhar no nível primário e secundário, estar presente nas comunidades, aprender mais sobre o ser humano e suas necessidades. Esse é o caminho correto que está sendo seguido em São Paulo, com uma certa flexibilidade para cada escola definir o melhor modelo, desde que seja assegurada a participação dos dirigentes, entidades médicas, professores e alunos em todo o processo de mudança.

JC - Na condição de diretor da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, como avalia a integração entre o ensino e a pesquisa?

Saad - A integração entre ensino e pesquisa passa pelo aprendizado do método científico. O aluno que estuda em uma escola onde existe boa pesquisa sendo desenvolvida, tem condições de aprender o método científico, o que vai capacitá-lo para ser um melhor médico. Estudos ingleses demonstram que o médico que domina o método científico torna-se com mais facilidade um líder local ou regional porque ele aprende a acompanhar melhor a evolução da Medicina. Para reforçar a importância dessa integração, cito uma frase do reitor da Unicamp, Dr. Brito Cruz, dita em sua posse: “a relação entre a pesquisa e o ensino na universidade é como a relação entre o pecado e a confissão. Se você não faz o primeiro, não tem o que contar no segundo”.

JC - O médico tem conseguido se capacitar, acompanhar os avanços da medicina e da ciência?

Saad - O Brasil é um país enorme e em alguns locais próximos de grandes centros urbanos, com boas faculdades de medicina, isso tem sido possível. Em locais distantes, infelizmente não. É fundamental investirmos em capacitação à distância, explorando recursos como teleconferências, Internet, TV a cabo e outras tecnologias. A boa notícia é que o Brasil faz uma ciência na área médica de excelente qualidade. Temos pessoas muito bem preparadas para capacitar e atualizar nossos médicos. Os Conselhos de Medicina têm papel fundamental para agilizar e viabilizar esse processo.

JC - Em ano de eleições, quais devem ser as preocupações dos médicos?

Saad - Os médicos devem cobrar e estar atentos aos candidatos que apresentem programas claros, inovadores e viáveis para a área da saúde; políticas públicas sociais que permitam a inclusão da imensa parcela da população que tem sido esquecida; além de políticas que melhorem as condições de vida e de saúde dos brasileiros. O financiamento suficiente e permanente para o SUS, a revisão da regulamentação da saúde suplementar devem estar na agenda prioritária dos candidatos. Os médicos devem eleger representantes no legislativo, federal e estadual, comprometidos com a valorização do médico e da medicina e, principalmente, com a ampliação do acesso e qualidade da assistência médica e da promoção da saúde.



Este conteúdo teve 1323 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 273 usuários on-line - 1323
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior