PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

PÁGINA 3
Editorial


PÁGINA 4
Ensino Médico


PÁGINA 6
Febre amarela


PÁGINA 7
Entrevista | Frida Plavnik


PÁGINA 8
Instituição de saúde


PÁGINA 10
Finanças


PÁGINA 9
Agenda da Presidência


PÁGINA 11
Institucional


PÁGINA 12
Ressonância


PÁGINA 14
Convocações


PÁGINA 15
Bioética


PÁGINA 16
Qualidade de vida


GALERIA DE FOTOS



Edição 355 - 01-02/2018

PÁGINA 7

Entrevista | Frida Plavnik


“Os recém-formados saem das escolas com pouco conhecimento sobre hipertensão arterial”

A Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH) se posicionou contrária à nova diretriz do National Heart, Lung and Blood Institute (NIH), que diminuiu o ponto de corte para definir a hipertensão e dar início ao tratamento.

Nesta entrevista ao Jornal do Cremesp, a vice-presidente da SBH, Frida Plavnik, explica por que a diretriz brasileira manteve as atuais recomendações e também fala sobre as deficiências na formação dos alunos para o diagnóstico e tratamento da hipertensão, propondo a realização de cursos sobre o tema.

Qual o cenário epidemiológico da hipertensão no País?
Dados do Ministério da Saúde (MS) apontam que a população brasileira apresenta uma prevalência estimada de 23% a 25% de hipertensos, com base em inquérito domiciliar
(Vigitel – Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico). Mas ele contém um equívoco: a pesquisa não considera como hipertensos aqueles que se declaram como tal e estão sob tratamento, não entrando, portanto, nas estatísticas. Por isso, a SBH estima que esse número atinja em torno de 30%, o que representa cerca de 36 milhões de hipertensos no País. Entre 50% e 60% da população idosa têm a doença. Além disso, crianças e adolescentes têm desenvolvido mais precocemente a hipertensão em função da vida sedentária e hábitos alimentares inadequados, associados à predisposição genética.

A SBH se posicionou contrária à nova diretriz adotada pelo American College of Cardiology sobre as mudanças nos níveis pressóricos para estabelecer se um indivíduo é hipertenso. Por quê?
A grande surpresa da diretriz americana – feita com base no estudo Systolic Blood Pressure Intervention Trial (Sprint) do National Heart, Lung and Blood Institute (NIH) – foi a mudança no ponto de corte para definir o indivíduo como hipertenso. Nele, a pressão arterial sistólica de 120 mmHg ou diastólica de 80 mmHg já é tida como elevada e, acima disso, 130/80 mmHg, o indivíduo já é classificado como hipertenso. Ao baixar os níveis de corte para definir hipertensão, a prevalência da doença aumenta em cerca de 14%. Mas a SBH entende que não existem dados suficientemente fortes que
justifiquem essa mudança, diferente do classicamente conhecido para o valor de corte
de 140/90 mmHg, em relação ao qual a literatura é mais consistente.


No que diferem as diretrizes da SBH?
Na VI diretriz, estabelecemos como pontos de corte para hipertensos estágios 1 e 2, com risco cardiovascular baixo e médio, uma meta < 140/90 mmHg; e para aqueles com hipertensão e comportamento limítrofe com risco cardiovascular alto, muito alto, ou com três ou mais fatores de risco ou doença associada (DM< síndrome metabólica, e lesão em órgão-alvo ou hipertensos com doença renal crônica com proteinúria > 1,0 g/L), a meta de 130/80 mmHg. A 7ª DBHA (2016) manteve essas metas. Assim, a recomendação de tratamento medicamentoso para indivíduos com pressão limítrofe, de acordo com a 7ª diretriz, requer a presença de doença cardiovascular pré-existente ou a presença de risco cardiovascular alto. Do contrário, a orientação para o médico é que o paciente adote mudanças no estilo de vida e nos hábitos alimentares.

O Exame do Cremesp tem apontado que grande parte dos participantes não sabe diagnosticar ou tratar hipertensão. Como avalia essa situação?
É bastante preocupante. Os estudantes saem das escolas com pouco conhecimento sobre a abordagem de pacientes com hipertensão arterial. Por isso, em reunião com a diretoria do Cremesp, propusemos a realização de cursos com o objetivo de fortalecer o que recomendamos na diretriz e uniformizar o entendimento da doença e como tratá-la, evitando exames desnecessários que oneram o sistema de saúde e não são decisivos para um tratamento adequado. Queremos mostrar passo a passo como o paciente deve ser avaliado, qual o tratamento mais adequado de acordo com cada caso e quando, de fato, é necessária outra investigação além do exame clínico.

Como serão os cursos sobre hipertensão no Conselho?
Discutiremos, com base em estudo de casos, como classificar hipertensão, estratificar os fatores riscos, abordagem ao paciente, revisão de tratamento, comorbidades etc. Será dirigido aos médicos recém-formados e também àqueles que queiram se atualizar sobre as nossas recomendações.

Outra modalidade de curso será realizada dentro do Programa de Educação Médica Continuada (PEMC). Serão módulos disponibilizados on-line no site do Conselho, focando os principais aspectos no atendimento à hipertensão, presentes no dia a dia do médico que fica na ponta do atendimento, tanto ambulatorial como nos serviços de emergência.


Este conteúdo teve 839 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

Delegacia da Vila Mariana:
Rua Domingos de Moraes, 2187 - cj. 223 - Edifício Xangai
Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP 04035-000

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS

CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2018 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 205 usuários on-line - 839
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior