PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
Mauro Aranha - Presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 3)
Suzanne T. Anderson


INSTITUIÇÃO DE SAÚDE (pág. 4)
A prioridade do hospital pela humanização ajuda na recuperação dos pacientes


TRABALHO DO MÉDICO (pág. 5)
O debate trouxe para pauta a campanha Violência não resolve, iniciada em 2015 em conjunto com o Coren­SP


INSTITUCIONAL (pág. 7,8,9 e 10)
O Jornal do Cremesp mostra as funções e responsabilidades do órgão


ENSINO MÉDICO (pág. 10)
O objetivo é dar orientações de como montar uma boa prova para os estudantes


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (pág. 11)
Mauro Aranha, presidente do Cremesp, comentou a situação em debate


EU,MÉDICO (pág. 12)
Sidnei Epelman


JOVENS MÉDICOS (pág. 13)
A cartilha tem o objetivo de montar grupos de apoio sobre questões que envolvam a atenção médica


BIOÉTICA (pág. 15)
Estudo aponta excesso de solicitações e erros de interpretação em testes genéticos


EDITAIS (pág. 14)
Convocações


BIOÉTICA (pág. 15)
Estudo aponta excesso de solicitações e erros de interpretação em testes genéticos


GALERIA DE FOTOS



Edição 348 - 06/2017

EDITORIAL (pág. 2)

Mauro Aranha - Presidente do Cremesp


Cracolândia(s)

 

Que relação e compromisso a Medicina e, em especial, a Psiquiatria têm com as cracolândias, senão o diagnóstico e tratamento de condições clínicas mais prevalentes nestes cenários, como o uso nocivo ou dependente de drogas (em geral, álcool e crack), de aquisição barata ou por escambo, mediante prostituição e pequenos delitos; ou doenças supervenientes, como sífilis, hepatites B ou C, tuberculose, Aids e um sem número de outros agravos físicos e mentais?

Que relação e compromisso a Medicina pode ter com o número crescente de pessoas em situação de rua no município de São Paulo: em 1991 (ano da introdução do crack nas ruas paulistanas), menos de 4 mil pessoas; e hoje, 16 mil?

Que relação e compromisso devemos ter com a origem multifatorial dessa miséria e indignidade humanas: histórico prisional sem cometimento de crimes; desemprego; fome; rupturas familiares (por abandono, mortes, violência doméstica e outros); transtornos mentais prévios, e tantos outros fatores desencadeantes?

A relação e compromisso a que me refiro e nos proponho é, no mínimo, a percepção e consciência do trágico ponto a que chegamos, enquanto (des)humanidade e barbárie.

Desigualdade social é o nome que resume a dessemelhança entre semelhantes; a solidão, o mau cheiro e a morte cronicamente anunciada dos “viciados” ou “loucos” ou “mendigos”, aqueles que, no fundo, julgamos radicalmente diferentes de nós. E já não era um acontecimento vê-los assim, tão perto. Bastava-nos somente não passarmos pelas cracolândias. Melhor que isso seria vê-­los afastados das ruas (nos albergues, nos hospitais, nas comunidades terapêuticas).

Nós, que escolhemos ser médicos, não podemos não vê-los. Não fosse por isso, pelo reiterado sofrimento que sofrem, eles nos olham; a consciência nos vê.

Mas não vos trago uma consciência culpada. Em meu derradeiro editorial, como presidente do Cremesp, trago-lhes a lembrança do que somos, a esperança do que fomos e, que um dia, nos é viável voltarmos a ser. Quando sofrem, não vemos apenas os olhos e a alma de homens, mulheres, crianças. Vemos nossas próprias raízes: Apolo, Hipócrates, Avicena, Maimônides, Albert Schweitzer, Médicos Sem Fronteiras e tantos outros. Essa, a nossa real e melhor identidade. E como queria Sartre, seria ainda preciso dizer: não tenho direitos, porque o amor me cumula; não tenho deveres, porque dou por amor.

 

 

Um novo caminho ético

 

Paulo Mariani*

A crise ética e moral pela qual passamos nos faz refletir a respeito das consequên­cias sociais e os exemplos que transmitimos para as gerações futuras. Quais serão os resultados após a explicitação de situações das quais já tínhamos conhecimento, mas que sempre eram tratadas de forma natural, como se estivessem dentro da normalidade? A própria punição a essas atitudes é um exemplo do que está por vir. Por meio de subterfúgios jurídicos, tenta-se justificar e inocentar atitudes que, do ponto de vista racional e moral, seriam inadmissíveis.

Todos nós, anestesiados, vislumbramos, dia após dia, um crescente número de denúncias e delações premiadas que, na verdade, premiam somente os infratores, diga-se de passagem. Enquanto isso, a educação, a saúde e a segurança se encontram em um verdadeiro caos. E sem previsão de melhoras, uma vez que as quantias financeiras desviadas servem apenas para o deleite de alguns. Sempre pensei que esse tipo de crime devesse ser combatido com pena de cunho financeiro, isto é, recupera-se tudo o que foi retirado da população, com as devidas correções, mesmo que esse dinheiro tenha sido receptado por terceiros.

Esses transgressores da lei, que não honram o cargo que ocupam, assim como os “amigos” que os patrocinam, deveriam ser mais bem vigiados e severamente punidos. Porém, essa utopia ficará somente no nosso espírito de justiça, visto que, mais uma vez, presenciaremos o nocivo “jeitinho brasileiro” – amparado na Justiça – vencer a lógica do bom senso e da ética.

Esperamos que este triste momento do cenário político brasileiro nos traga um novo caminho ético, no qual a saúde e a educação em nosso País sejam respeitadas enquanto garantias constitucionais, duramente conquistadas pelo povo brasileiro. Nós, do Cremesp, continuaremos a trabalhar para que essa meta seja alcançada em toda sua plenitude.

 

(*) Paulo Mariani é conselheiro do Cremesp

 

Este conteúdo teve 1617 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

Delegacia da Vila Mariana:
Rua Domingos de Moraes, 2187 - cj. 223 - Edifício Xangai
Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP 04035-000

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 481 usuários on-line - 1617
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior