PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
João Ladislau Rosa - Presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 3)
Adnan Neser


ENSINO MÉDICO (pág. 4)
Melhorias no Exame do Cremesp


TRABALHO MÉDICO (pág. 5)
Reunião com médicos peritos


ELEIÇÃO CFM 2014 (pág. 6)
Voto é obrigatório


ELEIÇÃO CFM - PROPOSTAS (pág. 7)
Chapas 1 e 2


ELEIÇÃO CFM - PROPOSTAS (pág. 8)
Chapas 3 e 4


ELEIÇÃO CFM - PROPOSTAS (pág. 9)
Chapa 5 e Edital


SAÚDE PÚBLICA (pág. 10)
Gasto per capita em saúde


INFORME TÉCNICO (pág. 11)
Febre do Chikungunya


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (pág. 12)
Impasse extrassalarial


JOVENS MÉDICOS (pág. 13)
MPT investiga Provab


SAÚDE PÚBLICA (pág. 15)
Notificação obrigatória


BIOÉTICA (pág. 16)
Modismo anti-vacinação no Brasil


GALERIA DE FOTOS



Edição 316 - 07/2014

ENSINO MÉDICO (pág. 4)

Melhorias no Exame do Cremesp


Câmara Temática avalia edições anteriores do Exame do Cremesp

Representantes do Cremesp e das escolas propõem melhorias para próxima edição da prova


Encontro reuniu mais de 20 representantes de escolas médicas

A análise do aproveitamento do Exame do Cremesp, assim como os seus impactos e possíveis melhorias, foi o tema das discussões da Câmara Temática de Avaliação dos Estudantes e Egressos do Curso de Medicina, no dia 16 de julho, na sede do Cremesp. A reunião contou com a participação de João Ladis­lau, presidente do Cre­mesp, dos coordenadores do Exa­me do Cremesp, Bráulio Luna Filho e Rei­naldo Ayer, além do conselheiro Aizenaque Gri­maldi de Carvalho e representantes de escolas de Medicina do Estado de São Paulo e da Fundação Carlos Chagas (FCC).

Raquel da Cunha Valle, pesquisadora de estatísticas da FCC, apresentou dados que demonstram o desempenho dos alunos egressos do curso de Medicina ao longo das nove edições do Exame – excluindo o ano de 2012, por ser uma prova que não contou com nenhuma questão de anos anteriores. Se em 2005 egressos de apenas 22 escolas aderiram à prova, em 2013, esse número passou para 108, de diferentes Estados do País.

Na análise geral de acertos das questões, as instituições privadas tiveram o pior desempenho, da ordem de 45%, enquanto entre as escolas públicas esse índice ficou em 60%. O Exame foi avaliado de acordo com a análise clássica e a Teoria da Resposta ao Item e ambas demonstraram a consistência da prova nos últimos anos.

A partir das análises e dos debates, serão realizadas melhorias para os próximos exames, com a participação ativa das escolas de medicina. O Exame do Cremesp 2014 está previsto para o dia 19 de outubro.

 


 

PL que discute revalidação automática segue para o Senado

O Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 399, de 2011, do senador Roberto Re­quião - que altera o artigo 48 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), sobre revalidação e reconhecimento automático de diplomas de instituições de ensino superior estrangeiras – foi encaminhado ao Senado no dia 15 de julho, após ser aprovado pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), em ação terminativa.

Uma das emendas da CE diz que o processo de revalidação e reconhecimento de diplomas estrangeiros deve permanecer submetido à avaliação de universidades brasileiras que ofereçam cursos equivalentes. E, no caso de diplomas de mestrado e/ou doutorado, apenas Universidades públicas teriam a permissão para realizar a avaliação — em um prazo de 90 dias para a tramitação dos pedidos. Ainda propôs que só serão aprovados diplomas de cursos presenciais que forem realizados em instituições de excelência acadêmica reconhecida pelo Poder Executivo.

Antes de chegar à CE, o projeto foi debatido pela Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), em duas audiências públicas, com representantes do MEC, Academia Nacional de Medicina (ANM), Conselho Nacional de Educação (CNE), Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG), entre outras.

 


 

Prevenção
Especialistas mantêm recomendação de mamografia acima de 40 anos

A Portaria 1.253/2013 do Ministério da Saúde restringiu o repasse de verbas da União aos municípios para mamografias em pacientes na faixa etária de 50 a 69 anos. Além disso, o foco passa a ser na ma­mografia unilateral, ou seja, o exame passa a ser realizado como forma de rastreamento em apenas uma das mamas.

A Comissão Nacional de Mamografia — Sociedade Brasileira de Masto­logia (SBM), Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) – defende o rastrea­mento ma­mo­gráfico  para todas as mulheres assinto­máticas acima de 40 anos. As entidades orientam que para aquelas pacientes que apresentam sintomas mamários, não existe limitação quanto à faixa etária para a avaliação mamográfica, que sempre deve ser bilateral (denominada de mamografia diagnóstica).

Krikor Boyaciyan, conselheiro e coordenador da Câmara Técnica de Ginecologia e Obstetrícia do Cremesp, relata que estudos recentes publicados no Journal of the National Cancer Institute observam que a mamografia deve ser realizada por mulheres após os 40 anos porque o benefício de se submeter a ela antes dessa idade é baixo. “Não podemos ignorar que medidas preventivas e diagnóstico precoce evitam muitos casos graves. No combate ao câncer de ma­ma, o melhor é manter a ma­mografia a partir dos 40 anos, uma vez por ano, sempre bilateral e, antes dessa idade para as mulheres pertencentes ao grupo de alto risco, o que inclui histórico familiar de câncer de mama”, afirma.

 


 

Saúde suplementar
Entidades médicas levam reivindicações das especialidades às operadoras

Integrantes da Comissão Estadual de Negociação com Planos de Saúde reuniram-se pela segunda vez com representantes das operadoras para discutir as reivindicações propostas pelos médicos. Entre as exigências gerais dos profissionais que atendem planos de saúde estão valor médio das consultas em R$ 100 e reajuste dos procedimentos com base na Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM), incluindo recuperação das perdas acumuladas nos últimos anos.

Nessa segunda fase de negociações, na reunião no dia 27 de junho, na Associação Paulista de Medicina (APM), as operadoras Marítima e Omint apresentaram documentos com 2.700 procedimentos para os médicos, e a Unidas se comprometeu a organizar uma reunião geral entre as empresas que representa e as entidades médicas.

A Comissão entregou às operadoras documentos com as demandas específicas de cada sociedade de especialidades, para que as empresas analisem e deem uma resposta sobre os reajustes que poderão ser contemplados.

 


Este conteúdo teve 1469 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

Delegacia da Vila Mariana:
Rua Domingos de Moraes, 2187 - cj. 223 - Edifício Xangai
Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP 04035-000

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 190 usuários on-line - 1469
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior