PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
Renato Azevedo Júnior - Presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 3)
Ophir Cavalcante, presidente da OAB Nacional


PLENARIA TEMÁTICA (pág. 4)
Falta integração entre serviços de urgência e emergência


COMISSÃO PRÓ-SUS (pág. 5)
Fórum Sul-Sudeste analisa gestão e financiamento da saúde


CREMESP (pág. 6)
Eleita a quarta diretoria da Gestão 2008-2013


DEMOGRAFIA MÉDICA (pág. 7)
Em 2020, distribuição de médicos continuará desigual


ENSINO MÉDICO (págs. 8 e 9)
Registro profissional dependerá de participação no Exame do Cremesp


EXAME DO CREMESP (pág. 10)
Conselho apresenta nova resolução a entidades


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (pág. 11)
Perfil dos médicos brasileiros


CFM (pág. 12)
CRM digital e portal Saúde Baseada em Evidências


REGIONAIS (pág. 13)
Unidades do interior têm novo layout para melhor atender


INFORME TÉCNICO (pg. 16)
Atestado de óbito


GALERIA DE FOTOS



Edição 294 - 07/2012

ENSINO MÉDICO (págs. 8 e 9)

Registro profissional dependerá de participação no Exame do Cremesp



Egressos de Medicina aguardam início da prova em São Paulo



Resolução irá estimular qualidade do ensino médico e propiciar autoavaliação dos recém-formados

Como forma de estimular a participação dos formandos e visando à obtenção de resultados que efetivamente atestem a qualidade do ensino de graduação oferecida pelas escolas médicas, o Cremesp – por meio da Resolução nº 239/2012 (veja texto na íntegra na página 10) – regulamentou a obrigatoriedade de realização do Exame do Cremesp pelos alunos egressos em Medicina no âmbito do Estado de São Paulo, para a obtenção do registro profissional.

A partir dessa resolução, fica estabelecida a criação de documento a ser entregue pelo formando no momento de seu pedido de inscrição no Conselho, que consiste no comprovante de participação na avaliação, a ser realizada anualmente.

O resultado do exame não terá qualquer efeito restritivo no ato de inscrição do médico. Ou seja, o registro não fica condicionado ao resultado da prova. Para a obtenção do número de CRM, basta que seja apresentado, juntamente com os demais documentos obrigatórios, o comprovante de comparecimento e realização da prova, preservando-se a confidencialidade dos resultados individuais.

Para o presidente do Cremesp, Renato Azevedo, “a posição do Cremesp de submeter o aluno egresso de Medicina ao Exame se fundamenta no fato de que essa obrigatoriedade, além de avaliar a qualidade do ensino médico, conforme já demonstrado em experiências semelhantes de outros países, oferecerá importantes subsídios aos gestores educacionais”.

Ele acredita que tanto o Ministério da Educação quanto dirigentes de escolas médicas poderão, a partir de uma avaliação externa, isenta, independente e advinda de um órgão da administração pública, corrigir e aprimorar as instituições de ensino. Ao mesmo tempo, os participantes contarão com um instrumento de autoavaliação, que poderá nortear a sua futura capacitação e aprimoramento profissional após a graduação.

46% dos participantes foram reprovados em 7 anos da avaliação

Ao longo de sete anos, 4.821 formandos de Medicina participaram do Exame do Cremesp. Destes, 2.250 (46,6%) foram reprovados, pois tiveram rendimento inferior a 60% dos conteúdos avaliados. Excluindo os dois primeiros anos, quando o Exame estava ainda em fase de ajustes iniciais, entre 2007 e 2011, fizeram a prova 3.135 candidatos com 1.832 reprovações (58,4%). Nos últimos cinco anos, a proporção de aprovação foi sempre menor que 60%, resultado que manteve uma tendência consistente e é considerado insatisfatório e alarmante. Chama a atenção o baixo percentual de acertos em campos essenciais da Medicina e em situações clínicas comuns na prática médica.

O Cremesp promove o exame de avaliação dos estudantes de sexto ano de Medicina do Estado de São Paulo desde 2005. Sempre com participação opcional e voluntária, o que acabava acarretando um desequilíbrio na distribuição. O objetivo da realização do Exame do Cremesp não é analisar o desempenho individual das instituições, nem estabelecer comparações ou rankings de performance das escolas, mas avaliar a qualidade da formação médica no Estado de São Paulo.

“O resultado ano a ano (quadro ao lado) demonstra, de forma persistente, sérias deficiências no ensino médico no Estado de São Paulo. Com a obrigatoriedade proposta por esta resolução, o Exame do Cremesp passa a ser um instrumento legítimo de utilidade pública e de defesa social, que irá incidir mais profunda e concretamente na melhoria da graduação em Medicina, visando sempre a reduzir a má-prática em proteção da sociedade”, afirma Azevedo.



Participantes e índice de reprovação do Exame do Cremesp - 2005 a 2011

Ano                Participantes    Reprovados      Reprovação (%)
2011                        418                  191                   46
2010                        533                  227                   43
2009                        621                  345                   56
2008                        730                  447                   61
2007                        833                  466                   56
2006                        688                  261                   38
2005                        998                  313                   32


Fonte: Cremesp


Abertura indiscriminada de escolas prejudica a formação

O país tem assistido a um crescimento vertiginoso no número de cursos de Medicina, sem infraestrutura necessária para propiciar a boa formação do profissional, para o adequado exercício da Medicina. “Para que isso ocorra, é necessário um ensino de boa qualidade, capaz de promover a formação generalista, humanista, crítica e reflexiva em todos os níveis de atenção à saúde, assim como competências e habilidades nas áreas do conhecimento médico, notadamente em especialidades básicas”, avalia o diretor 1º secretário do Cremesp e coordenador do exame, Bráulio Luna Filho.

Em 2011, o país contava com 185 escolas médicas, com uma oferta de 16.876 vagas, segundo o censo do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep). Do total de vagas disponíveis, 58,7% eram oferecidas por instituições privadas e 41,3%, por escolas públicas.

De acordo com Luna Filho, a quantidade de faculdades de Medicina em si não é o real problema. “A questão é que muitos cursos passaram a funcionar com currículos inadequados à realidade do país, turmas com grande número de alunos, corpo docente insuficiente e sem qualificação, ausência de hospital-escola e de biblioteca e sem garantia de vagas na Residência Médica para os formandos, para citar alguns dos principais problemas gerados pela abertura indiscriminada de escolas”, diz.

Como resultado da má-formação, há evidente prejuízo na qualidade da assistência médica, com sérios riscos à saúde e à vida da população. E esse prejuízo se reflete exatamente nos números apresentados pelos Conselhos de Medicina, com o aumento das denúncias. 


Exame tem apoio da maioria dos médicos e da população


Nova Resolução: exame será obrigatório em São Paulo

Segundo pesquisa do Instituto Datafolha, a maioria dos médicos em atividade (83%), dos formadores de opinião (93%) e da população (92%) apóia a realização do Exame do Cremesp e acredita que deveria tornar-se obrigatório (61%, 83% e 92%, respectivamente). Também no Congresso Nacional cresce o apoio de parlamentares a projetos de lei que versam sobre a implantação de um exame de habilitação para médicos. O debate ganhou forças após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter acatado a constitucionalidade do Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).



Como será a obrigatoriedade de realização do Exame do Cremesp pelos recém-formados em Medicina

O que é o Exame
- O Exame do Cremesp servirá como instrumento de avaliação da formação dos profissionais recém-graduados. Será realizado anualmente e consistirá em teste cognitivo, abrangendo as áreas essenciais da Medicina.
- A prova será elaborada sob a responsabilidade do Cremesp, que poderá contratar professores e/ou instituições competentes para a sua execução.

Participação é obrigatória para obtenção de registro profissional
- A declaração de comparecimento e realização do Exame do Cremesp será exigida no momento do pedido de registro médico junto ao Cremesp, como documento essencial e obrigatório.

Registro profissional não está condicionado à aprovação ou desempenho no Exame
- A obtenção do registro profissional junto ao Cremesp não está condicionada ao resultado, mas unicamente à participação no Exame do Cremesp pelo recém-formado. O mau desempenho ou eventual reprovação não serão impeditivos para o registro, que é um direito legalmente estabelecido de todos os médicos portadores de diploma de graduação.

Resultados são confidenciais
- Os resultados individuais e as notas obtidas são confidenciais, revelados única e exclusivamente ao participante.
- A prova e o resultado do exame farão parte dos demais documentos que compõem o prontuário do médico, sob a guarda do Setor de Registro Profissional do Cremesp, somente podendo ser entregues por requisição pessoal do próprio participante.
- O Cremesp assume o compromisso ético com o sigilo e a confidencialidade dos resultados individuais.

Relatório para as escolas médicas
- As instituições de ensino de Medicina receberão relatório conclusivo de desempenho de seus alunos, por área de conhecimento, sem a identificação pessoal dos participantes.

Recém-formados em outros Estados ainda sem inscrição
- Poderão requerer sua inscrição no Cremesp a qualquer tempo. A não participação no Exame do Cremesp subsequente à sua inscrição acarretará o cancelamento de seu registro.

Quem não precisa realizar o Exame
- Médicos que já possuem inscrição em outros Conselhos Regionais, ao pleitear sua inscrição secundária ou transferência definitiva para o Cremesp.
- Médicos que já possuam inscrição ou pedido de inscrição em andamento junto ao Cremesp no momento da entrada em vigor da Resolução.



Este conteúdo teve 2112 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

Delegacia da Vila Mariana:
Rua Domingos de Moraes, 2187 - cj. 223 - Edifício Xangai
Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP 04035-000

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 459 usuários on-line - 2112
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior