PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
Renato Azevedo Júnior - Presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 3)
Ophir Cavalcante, presidente da OAB Nacional


PLENARIA TEMÁTICA (pág. 4)
Falta integração entre serviços de urgência e emergência


COMISSÃO PRÓ-SUS (pág. 5)
Fórum Sul-Sudeste analisa gestão e financiamento da saúde


CREMESP (pág. 6)
Eleita a quarta diretoria da Gestão 2008-2013


DEMOGRAFIA MÉDICA (pág. 7)
Em 2020, distribuição de médicos continuará desigual


ENSINO MÉDICO (págs. 8 e 9)
Registro profissional dependerá de participação no Exame do Cremesp


EXAME DO CREMESP (pág. 10)
Conselho apresenta nova resolução a entidades


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (pág. 11)
Perfil dos médicos brasileiros


CFM (pág. 12)
CRM digital e portal Saúde Baseada em Evidências


REGIONAIS (pág. 13)
Unidades do interior têm novo layout para melhor atender


INFORME TÉCNICO (pg. 16)
Atestado de óbito


GALERIA DE FOTOS



Edição 294 - 07/2012

ENTREVISTA (pág. 3)

Ophir Cavalcante, presidente da OAB Nacional


Exame contribuirá para que médicos sejam mais capacitados

“Nossa crítica é com relação às más escolas, que vendem sonhos, mas entregam pesadelos aos seus alunos”

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) tem conseguido, junto ao Ministério da Educação, reduzir as autorizações para funcionamento de novos cursos de Direito sem a devida qualificação. Nesta entrevista ao Jornal do Cremesp, Ophir Filgueiras Cavalcante Junior, presidente do OAB Nacional, relata a evolução desse mecanismo para melhorar o ensino do Direito no país e encara com otimismo a obrigatoriedade de participação no Exame do Cremesp. Ele apoia exames de proficiência em geral e acredita que não devem ser vistos como obstáculos, mas estímulo ao aperfeiçoamento profissional e aos investimentos em cursos mais bem equipados.

 

Tramita na Câmara Federal um projeto de lei que prevê a revogação da exigência do Exame da OAB. Por que a manutenção dele é importante para o exercício da advocacia?
Determinadas profissões que lidam com bens fundamentais aos cidadãos, como a vida (Medicina), a liberdade (Direito) e a segurança (Engenharia), devem receber um olhar mais rigoroso com o objetivo de proteger o cidadão contra os profissionais sem a adequada preparação para lidar com esses valores. O Exame de Ordem existe como proteção aos cidadãos, únicos destinatários desses serviços. Não se trata de reserva de mercado, pois, para a OAB, seria muito confortável ter 2 milhões de advogados e não somente os 750 mil existentes (que é um número bastante expressivo), já que a entidade não recebe recursos do Estado, sendo mantida com as anuidades pagas pelos advogados. Do ponto de vista da advocacia, é importante ter profissionais capacitados para defender o cidadão. A relevância da profissão não se mede pelo número de seus integrantes, mas pela qualificação destes, e a OAB quer uma advocacia preparada para combater o Estado – representado pelo Ministério Público (que é muito capacitado), de forma a permitir a igualdade entre acusação e defesa.

Durante a existência do Exame da OAB, houve mudanças em sua aplicação? Quando começou a unificação e por quê?
O Exame de Ordem só se tornou obrigatório a partir da edição da Lei Federal 8906/94, que é o Estatuto da OAB e da advocacia. Antes era facultativo e não se exigia daqueles que prestavam estágio supervisionado nas faculdades. Mas, com o tempo, foi aperfeiçoado. O Exame era ministrado pelas seccionais da OAB nos Estados. A partir de 2007, iniciou-se um movimento de unificação, o que aconteceu definitivamente com o envolvimento de todos os Estados, a partir de fevereiro de 2010. Com isso, proporcionamos uma melhor avaliação dos bacharéis, de modo igual, em todo o país. Também afastamos o preconceito de que quem se formava em faculdade do interior do Brasil era mal preparado. Estados pequenos do Nordeste, por exemplo, demonstram que a qualidade está ligada ao compromisso com o ensino, bons professores, avaliações sérias etc. O Exame de Ordem unificado passou a ser uma referência na avaliação do ensino e esperamos que o MEC, em breve, o adote, como a OAB o faz, para analisar os pedidos de criação e de reconhecimento. 

O índice de aprovação no Exame da OAB foi de quase 25% em 2012. Nos últimos anos, houve mudanças no desempenho dos candidatos? O que tem ocorrido?
Com seriedade e um certo rigor no Exame, vimos uma maior preocupação das escolas com a melhoria do ensino e dos próprios alunos, o que gerou resultados significativos em várias faculdades. O percentual fica baixo quando se vê faculdades que aprovam entre 5% e 10% mas, em termos absolutos, mais de 70 mil candidatos por ano passam no Exame, o que é mais que todos os advogados da França desde quando a advocacia passou a existir naquele país.

Quais são as bases do Exame da OAB? Qual a relação direta do índice de aprovação com a melhor qualificação profissional do advogado no Brasil?
Não por coincidência, mas por ser um fato concreto, as faculdades mais bem equipadas e preocupadas com a qualidade obtêm os melhores índices de aprovação. O que só corrobora nosso ponto de vista, segundo o qual é preciso disseminar esta verdade para todos os cursos jurídicos. Isso acontece sobretudo com as faculdades federais, mas muitas particulares praticam ensino de excelência. A OAB não se posiciona contra o ensino jurídico, pois isto seria um contrassenso. Nossa crítica é com relação às más escolas, ao truque usado por algumas direções inescrupulosas, que vendem sonhos mas entregam pesadelos aos seus alunos.

O Exame conseguiu coibir a má qualificação das faculdades de Direito? O que a OAB tem feito no sentido de combater a proliferação de escolas ruins? 
A OAB, sempre que pode, denuncia esse estado de coisas, mas o poder de fiscalização é do Estado. Nesse sentido, temos procurado manter um diálogo permanente com o Ministério da Educação e alguns avanços foram obtidos. Por exemplo, foi dado um freio no mecanismo de autorização para funcionamento de novos cursos. Há pessoas sensíveis, dentro do MEC, preocupadas com a má qualidade do ensino, que não é exclusiva do Direito, pois atinge outras áreas.

Como vê a proposta de obrigatoriedade do Exame do Cremesp para médicos recém-formados?
Exames de proficiência são bem-vindos em todas as áreas e não devem ser vistos como obstáculos. Antes, é um estímulo ao aperfeiçoamento profissional. Portanto, a iniciativa é digna de aplausos. Pelas razões às quais me referi, mas com todo o cuidado de não interferir em um tema que desperta fortes discussões numa área que não é o Direito, o Exame certamente irá contribuir para que tenhamos profissionais mais capacitados. Além de estimular investimentos para que os cursos sejam mais bem equipados. A sociedade agradece.

 


Este conteúdo teve 1786 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

Delegacia da Vila Mariana:
Rua Domingos de Moraes, 2187 - cj. 223 - Edifício Xangai
Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP 04035-000

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 205 usuários on-line - 1786
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior