PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
"Os médicos e suas entidades estão dispostos a dar um basta nesta situação de desrespeito"


ENTREVISTA (pág. 3)
Promotor de Justiça Arthur Pinto Filho


ENVELHECIMENTO (pág. 4)
Aumento do número de idosos poderá superar o das crianças em 2020


FALTAM PROFISSIONAIS? (pág. 5)
Cremesp questiona versão do governo federal sobre o número de médicos no país


ENDOCRINOLOGIA (pág. 6)
Sibutramina e derivados de anfetamina poderão sair de circulação


POLÊMICA (pág. 7)
O uso de jaleco fora do ambiente de trabalho


OPERADORAS (págs. 8 e 9)
Assistência suplementar: cartão vermelho para planos que não aceitam negociar


AGENDA (pág. 10)
Cremesp participa da posse dos novos diretores do Simesp


URGÊNCIA/EMERGÊNCIA (pág. 11)
Plenária discutiu o atendimento nos prontos-socorros dos hospitais públicos


COLUNA DO CFM (pág. 12)
Comentários dos representantes do Estado de São Paulo no CFM


SUS (pág. 13)
Desafios Contemporâneos do Sistema Único de Saúde


PSIQUIATRIA (pág. 15)
Resolução nº 226, de 22/03/2011


BIOÉTICA (pág. 16)
O devido sigilo ao prontuário do paciente


GALERIA DE FOTOS



Edição 283 - 07/2011

EDITORIAL (pág. 2)

"Os médicos e suas entidades estão dispostos a dar um basta nesta situação de desrespeito"



Cartão vermelho!

Renato Azevedo Júnior
Presidente do Cremesp


A assembleia estadual do dia 30 de junho, que reuniu mais de 500 colegas indignados com as atitudes e práticas dos planos e seguros de saúde, foi uma clara demonstração de que os médicos estão determinados, o movimento está organizado e nossas entidades representativas seguem unidas.

Ao definir os dez planos de saúde que serão inicialmente alvo de uma paralisação escalonada, os médicos dão um claro recado e exibem o “cartão vermelho” ( um dos símbolos usados na assembleia) para aquelas empresas que mesnosprezam o trabalho médico.

O movimento estadual reverbera a paralisação nacional, iniciada em 7 de abril, ao exigir o mínimo de R$ 80 por consulta, a atualização dos honorários de acordo com a CBHPM e reajuste anual dos contratos. Em outra frente, apontamos a omissão e a incoerência da ANS, que não exerce seu dever legal de fiscalização dos contratos entre operadoras e médicos, até hoje sem cláusulas com critérios e periodicidade de reajuste.

De todo o país chegam notícias de que os médicos e suas entidades estão dispostos a dar um basta nesta situação de desrespeito. Em São Paulo, o movimento assume especial dimensão, pois nosso Estado conta com aproximadamente 58 mil médicos conveniados a planos e seguros de saúde, responsáveis pelo atendimento de 18, 4 milhões de pessoas. É o Estado com maior presença da assistência suplementar, onde atuam 327 operadoras e a metade da população tem plano de saúde.

Tal dimensão e o respeito aos pacientes nortearam a decisão da assembleia do dia 30 de junho e os desdobramentos propostos pela Comissão Estadual de Honorários Médicos, de criar parâmetros gerais de mobilização e, ao mesmo tempo, incentivar a descentralização das decisões, como a definição dos planos-alvo, negociações, assembleias e eventuais paralisações, conforme o desejo dos médicos e as peculiaridades regionais, além de garantir a autonomia e a participação ativa das especialidades médicas, que reúnem instrumentos e argumentos específicos de diálogo com os planos de saúde.

Fica a certeza de que a união dos médicos e a compreensão da sociedade sobre os nossos propósitos demonstram que estamos num caminho sem volta de resgate da dignidade profissional e de mudanças positivas no sistema de saúde brasileiro.


Opinião 
A escolha da via de parto

Krikor Boyaciyan
Diretor corregedor do Cremesp

Um dos principais motivadores da escolha da via de parto, que provoca discussões calorosas, é a alta incidência de cesarianas no Brasil, principalmente na rede suplementar de saúde. Para muitos profissionais, trata-se de uma distorção da prática ideal: o parto normal é a melhor opção, tanto para a mãe quanto para o concepto. Por outro lado, há médicos que não observam problemas em optar com maior frequência por partos abdominais, e até partem para a defesa dessa prática.

A mídia destaca o assunto, geralmente de forma a alimentar a polêmica e atuando como fiscal da sociedade. Os hospitais e clínicas particulares são acusados de compensar a baixa remuneração dos planos de saúde e do SUS com mais procedimentos, visando maior lucro. Os médicos não escapam das acusações de que a opção pela cesárea é resultado apenas da sua comodidade, agindo de forma conivente com o sistema de saúde. Diante da escassez de tempo para cuidar das pacientes, o obstetra opta pela via alta; assim, médico e gestante assumem postura mais cômoda para ambos.

A preocupação de ser processado é apontada também como fator determinante para essa preferência.

Há quem aponte a gestante como responsável pela opção da cesárea com hora marcada. Razões culturais podem ser alegadas como influenciadoras na solicitação, como medo da dor, da imprevisibilidade da hora, do uso de fórcipe ou por preocupação estética.

Valorizamos o parto vaginal como a melhor opção para o binômio materno-fetal e reconhecemos que a cesárea constitui conduta importantíssima: suas indicações se ampliaram nos dias atuais, em atenção ao avanço tecnológico da Obstetrícia.

Cada caso precisa ser analisado individualmente. A paciente deve ser informada pelo médico a respeito das vantagens e desvantagens de cada procedimento, com atendimento digno e de qualidade. Nenhuma gestante deve ser forçada a optar por uma ou outra via de parto.



Este conteúdo teve 1800 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

Delegacia da Vila Mariana:
Rua Domingos de Moraes, 2187 - cj. 223 - Edifício Xangai
Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP 04035-000

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 312 usuários on-line - 1800
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior